Acidente com foguete-portador impulsiona reforma do setor espacial

Lançamento fracassado foi transmitido ao vivo pelo canal de TV estatal Rossyia 24 Foto: AFP / East News

Lançamento fracassado foi transmitido ao vivo pelo canal de TV estatal Rossyia 24 Foto: AFP / East News

O acidente com o foguete-portador Proton-M reforçou a necessidade imediata de uma reforma na indústria espacial da Rússia. De acordo com o vice-primeiro-ministro russo Dmítri Rogózin, as conclusões extraídas dessa experiência serão a base para reformular a indústria espacial da Rússia.

O vice-primeiro-ministro russo Dmítri Rogózin prometeu tirar conclusões sérias quando forem esclarecidas as razões do lançamento fracassado do foguete-portador  Proton-M. “Não vamos mais seguir em frente com o atual tipo de indústria de foguetes espaciais”, disse Rogózin à agência de notícias RIA Nóvosti.

Segundo o vice-premiê, a reforma do setor de foguetes espaciais pressupõe a consolidação de uma única empresa de capital aberto integrada, denominada provisoriamente de Corporação integrada de foguetes espaciais. O objetivo é introduzir uma única diretiva técnica, que implicará um estreitamento da gama de produtos, mas vai permitir aumentar a confiabilidade dos itens fabricados.

“O setor precisa de reforma e isso deveria ter sido feito antes, não depois desse acidente, mas há muito tempo”, disse ao jornal “Vzgliad” o cientista Aleksandr Jelezniakov, da Academia Russa de Cosmonáutica. “As conversas sobre a crise no setor e a necessidade de reforma já estão  acontecendo há dois anos e meio. (... ) Mas, infelizmente, demoraram tanto que acabaram se deparando com mais um acidente.”

Uma fonte da RIA Nóvosti na indústria espacial sugeriu que as causas do acidente poderiam ter sido problemas com o motor ou com o sistema de controle. “Foi ou o sistema de controle ou o motor. Se o acidente aconteceu em 10 a 20 segundos, provavelmente o motor é a causa”, disse.

Missão incompleta

O foguete-portador Proton-M, com um impulsionador DM-03 e três sistemas de navegação Glonass-M, caiu no primeiro minuto após o lançamento do cosmódromo de Baikonur, na manhã desta terça-feira (2).

O acidente gerou um prejuízo de aproximadamente 4,4 bilhões de rublos e afetará a implementação do Glonass. A meta do governo era colocar em órbita mais quatro satélites do sistema de navegação até o final de 2013. A recente perda de três satélites exigirá a construção de novos instrumentos, o que não deve ocorrer em menos de um ano.

Além disso, os lançamentos de Baikonur previstos para os próximos três meses serão adiados. Os lançamentos dos  foguetes Prótons, por sua vez, estão suspensos até o fim da investigação sobre as causas do acidente e a implementação das recomendações da comissão especial.

 

Com materiais dos veículos Vzgliad e Rossiyskaya Gazeta

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.