Rússia mira novos mercados para exportação de armas

Helicóptero Ka-52 Aligator, uma melhoria do Ka-50 Foto: Snake Eyes

Helicóptero Ka-52 Aligator, uma melhoria do Ka-50 Foto: Snake Eyes

Além de reforçar laços com parceiros tradicionais, como a Índia, país vislumbra novas parcerias na América Latina.

A Rússia ocupa a segunda colocação mundial em exportação de armas, perdendo apenas para os EUA. Moscou fornece armas e equipamentos militares a 66 países, assinou contratos de cooperação técnica e militar com 85 e sua lista de encomendas de produtos relacionados à defesa atualmente atinge a marca de R$ 94,4 bilhões. A exportação mundial de armas russas chegou a R$ 31 bilhões em 2012, um aumento de 12% em relação ao ano anterior.

No entanto, para garantir o crescimento estável das exportações, a Rússia está de olho em oportunidades fora dos seus tradicionais parceiros, como a Índia, e busca novas parcerias sobretudo na América Latina.

“De acordo com as estimativas de nossos especialistas, o volume do mercado de armas latino-americano atingirá aproximadamente R$ 102 bilhões nos próximos dez anos. Se nós concentrarmos nossos esforços nisto, poderemos assinar contratos à altura”, disse Serguêi Goreslavski, representante da Russian Technologies (Rostec), empresa estatal de alta tecnologia. Ele acrescentou que Venezuela, Peru, Brasil, Argentina e México assinalaram interesse em comprar helicópteros e sistemas de defesa aéreos.

Exportação estável

Durante 20 anos, Moscou tentou repetidamente atrair os militares turcos com sua tecnologia avançada. Uma nova tentativa foi feita na IDEF 2013 (Feira Internacional da Indústria de Defesa), quando Rússia apresentou seu helicóptero Ka-52 Aligator, uma melhoria do Ka-50, e o Mi-28NE Night Hunter. Os projetos apresentados incluíram o tanque T-90S, o veículo para suporte de combate Terminator e os sistemas de mísseis antitanque Kornet-E e Metis M1, entre outros. Apesar de a Turquia ter sido o primeiro país-membro da Otan a estabelecer laços técnicos e militares com Moscou, o diretor-geral da Rosoboronexport, Anatóli Isáikin, advertiu que não se deve esperar um grande aumento da exportação de armas russas para a Turquia.

Grigóri Kozlov, chefe do departamento de Exportação de Helicópteros da Rosoboronexport, a única exportadora autorizada de armas e equipamentos militares da Rússia, disse que há um bom potencial para a cooperação com praticamente todos os países da região, especialmente com o Brasil, onde helicópteros Mi-35M são usados ​​com sucesso.

O principal parceiro na região continua sendo a Venezuela, que é atualmente o segundo maior comprador de armas russas, depois da Índia. O Centro de Análises do Comércio Mundial de Armas estima que o valor dos equipamentos adquiridos por Caracas junto à indústria de defesa russa seja de R$ 9 bilhões. Isso inclui 24 caças Su-30MK2V, 100 mil metralhadoras AK-103, mais de 40 helicópteros multiuso Mi-17V-5, 10 helicópteros de ataque Mi-35M2, três helicópteros de transporte pesado Mi-26T2 e 5 mil rifles de sniper SVD.

Futuras parcerias na América Latina incluem ainda acordos com o Peru para atualizar a frota de caças Mikoyan MiG-29 Fulcrum, além da venda de 100 tanques T-90S, 700 caminhões Kamaz e um novo lote de helicópteros Mi-8/17.

Índia: número 1

A Índia continua sendo o maior cliente da Rússia para aquisição de armas, respondendo por 80% do seu equipamento militar de Moscou. O país comprou 350 tanques T-90S e encomendou outros 1500. O INS Sindhurakshak, um submarino diesel-elétrico da Marinha da Índia que passou por uma revisão e uma modernização no estaleiro russo Zvezdochka, localizado em Severodvinsk, finalmente chegou ao porto de Mumbai em 29 de abril. O INS Vikramaditya foi submetido a uma operação complexa no estaleiro russo Sevmash antes da fase final de testes e entrega à Marinha da Índia ainda este ano.

Os produtores de aeronaves russos também procuram oportunidades para fortalecer as ligações com seus parceiros indianos. A fabricante de aviões Sukhoi está construindo uma aeronave de quinta geração em conjunto com parceiros indianos. A Índia também está operando atualmente 150 modernos caças multifunção Su-30MKI. A Rosoboronexport está participando de um concurso para tornar-se fornecedora dos helicópteros de vigilância e reconhecimento Ka-226T, disse Grigóri Kozlov recentemente.

Serguêi Korotkov, diretor executivo da Russian Aircraft Corporation (RSK) MIG, adianta que suas expectativas estão relacionadas principalmente com o MiG-35. "Eu gostaria de ver o MiG-35 permanecer em destaque no contexto da nossa história em comum e nossa parceria de 50 anos. Esperamos que a Índia celebre um contrato para o fornecimento do MiG-35, nós estamos aptos para atender à demanda”, diz Korotkov.

Além disso, Rússia e Índia desenvolvem em conjunto, o míssil de cruzeiro supersônico BrahMos. Em 22 de maio, de acordo com relatos da mídia local, a Índia testou com sucesso o míssil de cruzeiro supersônico BrahMos, com alcance de 290 km, que foi guiado desde a mais nova fragata INS Tarkash na costa de Goa.

 

Com materiais da Rosoboronexport, RIA Nóvosti, ITAR-TASS e The Times of India

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.