Rússia apresentará novo equipamento de artilharia sobre rodas em feira militar

Feira "International Defence Exhibition & Conference", IDEX, em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos. Foto: AP

Feira "International Defence Exhibition & Conference", IDEX, em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos. Foto: AP

Primeiro obuseiro russo em uma plataforma com rodas será exposto no outono, em Níjni Tagil, na Mostra Internacional de Equipamento Militar REA-2013.

O Ministério da Defesa russo começou a implementar e a dominar o uso de equipamentos de artilharia sobre rodas, que no futuro substituirão a do tipo lagarta. O primeiro obuseiro russo em uma plataforma com rodas será exposto no outono, em Níjni Tagil, na Mostra Internacional de Equipamento Militar REA-2013.

Oleg Afanasiev, representante da Kamaz, contou ao “Izvéstia” que, como base para o novo obuseiro, foi escolhida a plataforma tetra-axial Kamaz-6560, que é utilizada em equipamentos empregados na construção e de uso militar.

Para o novo equipamento, ela foi modernizada, com a inserção de um motor mais potente e com modificações no design do quadro para que ele possa resistir a um tiro potente.

“É o mesmo chassi sobre o qual estão montando o sistema de defesa antiaéreo Pantsir-S. Ele atende as exigências da indústria e dos militares. Já é uma plataforma de série, por isso, não haverá qualquer problema com a sua fabricação”, explicou Afanasiev.

Ele acrescentou que o protótipo da nova plataforma foi enviado para a MZ (empresa russa de armamento), onde é produzida a unidade de artilharia. Lá, as duas partes do obuseiro devem ser reunidas em uma única máquina, e os testes, iniciados.

Assim que eles forem concluídos, o primeiro tanque sobre rodas será integrado ao armamento do exército da Rússia e começará a entrega dessas unidades para as tropas. Espera-se que os testes sejam concluídos antes do final de 2015.

Supõe-se que o obuseiro será totalmente automatizado, ou seja, poderá ser carregado e disparado à distância. A tripulação permanecerá na cabine, que, segundo os planos, deverá ser blindada para proteção contra balas e estilhaços.

Segundo o Ministério da Defesa, as novas máquinas deverão ser entregues, em primeiro lugar, às brigadas de assalto aéreo e às brigadas leves de montanha, onde se exige mobilidade e alta velocidade durante a circulação pelas estradas.

Em seguida, elas serão fornecidas para as brigadas médias, que, ao invés de utilizarem os veículos de combate BMP do tipo lagarta para transportar a infantaria, passarão a usar os blindados BTR sobre rodas. Planeja-se equipar as brigadas pesadas com veículos do tipo lagarta porque eles possuem melhor blindagem.

Segundo o órgão gestor das Forças de Mísseis e Artilharia do exército, o novo equipamento complementará o obuseiro extra leve, encomendado anteriormente.

O analista militar independente Viacheslav Tseluiko explicou que ele terá um emprego limitado.

“Esse tipo de obuseiro é mais apropriado para blindados BTR das brigadas médias, onde existe uma grande proporção de chassis com rodas. Além disso, as brigadas têm uma velocidade suficientemente alta. Em tais composições, os obuseiros do tipo lagarta, MSTA-S ou o rebocável MSTA-B, iriam diminuir o ritmo do deslocamento. Mas para as brigadas leves, esse tipo de obuseiro não é aplicável. Devido às suas dimensões, ele não irá caber no Mi-26, o que é um requisito obrigatório para os equipamentos leves”, explicou Tseluiko.

Ele também lembrou que o exército já tinha tentado criar obuseiros sobre rodas com a arma MSTA-K, experiência que fracassou devido à instabilidade das rodas causada pela sobrecarga lateral em função dos tiros.

O dispositivo de artilharia Coalition-SV foi desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa Burevestnik, de Níjni Novgorod, e sua produção foi implementada na  Motovilikhinskiye zavody S/A, em Perm.

As maquetesdos sistemas avançados de artilharia Coalition–SV foram apresentados pela primeira vez, em uma variedade de chassis, durante a visita do vice-premier Dmítri Rogozin à Perm, em julho de 2012.

Na mesma época, a Motovilikhinskiye zavody S/A tomou a iniciativa de criar, na sede da empresa, um centro federal de tecnologia de artilharia, no qual era proposta a inclusão dos maiores produtores de sistemas de artilharia do país — Zavod nº9 S/A, de Ekaterimburgo, e o Instituto de Pesquisa Burevestnik.

 

 Publicado originalmente pelo Izvéstia

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.