Mercado de games na Rússia e CEI movimenta US$ 1,3 bilhões

Os dados do Mail.ru não consideram a venda de filmes em DVD e pela internet Foto: Reuters / Vostock Photo

Os dados do Mail.ru não consideram a venda de filmes em DVD e pela internet Foto: Reuters / Vostock Photo

Apesar de 11 vezes inferior ao consumo nos EUA, valor já supera bilheteria de cinema na Rússia e nas ex-repúblicas soviéticas.

De acordo com o Mail.ru Group, os cidadãos da Comunidade dos Estados Independentes (com exceção da Ucrânia) gastaram US$ 1,3 bilhões com jogos on-line em 2012, deixando para trás o mercado de cinema. “Os jogos estão se tornando mais populares do que o cinema, é uma tendência mundial”, afirma Vladímir Nikolski, vice-presidente da holding de internet.

No ano passado, as receitas geradas pelos games cresceram 22% e as do cinema, apenas 10%. Ainda assim, um representante do Mail. Ru Group garante que a indústria cinematográfica continua ser o principal concorrente dos jogos on-line, já que ambos usam tecnologias similares, computação gráfica e efeitos especiais.

O desenvolvedor de jogos e diretor-executivo da empresa Nirval, Serguêi Orlovski, está convencido de que, na Rússia, os jogos já superavam a exibição de filmes no cinema há um ou dois anos. “Ao contrário do que acontece com a indústria de cinema, os principais desenvolvedores russos de jogos faturam também com jogadores estrangeiros”, destaca Orlovski.

“Na Rússia, os consumidores gastam dinheiro em games com facilidade”, aponta o fundador da empresa de investimento IMI.VC, Ígor Matsanuik.

A consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC), entretanto, afirma que, no período de um ano, os russos gastaram quase US$ 12 bilhões em entretenimento, mas os games ocupam apenas o quinto lugar dessa lista.

“Tenho certeza de que os jogadores ativos gostam de todo tipo de entretenimento, assistem a muitos filmes e ouvem música. Os principais concorrentes da indústria cinematográfica não são os jogos, e sim os piratas”, arremata Serguêi Kitin, diretor-executivo da rede Cinema Park.

 

Publicado originalmente pelo Vedomosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.