Pentágono reitera importância de comprar helicópteros russos para o Afeganistão

Nos anos anteriores, a Rosoboronexport já forneceu 33 helicópteros Mi-17 para a Força Aérea do Afeganistão Foto: Reuters

Nos anos anteriores, a Rosoboronexport já forneceu 33 helicópteros Mi-17 para a Força Aérea do Afeganistão Foto: Reuters

Rússia e EUA querem garantir estabilidade no país após a retirada das tropas da Otan em 2014. Medida enfrentou resistência dos congressistas, que condenam fornecimento de armas russas à Síria.

De acordo com o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, a decisão de comprar helicópteros russos Mi-17 está de acordo com os interesses do povo afegão e com os compromissos dos EUA de prestar assistência a este país.

“Por tudo isso, foi decidido disponibilizar recursos financeiros para a compra dos veículos. Sei que muitos congressistas não estão de acordo, mas a administração, empenhada em cumprir os compromissos assumidos com os afegãos, tomou essa decisão conscientemente”, disse Hagel, durante uma audiência no Congresso dedicada à aprovação do orçamento militar.

O chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas dos EUA, o general Martin Dempsey, acrescentou que tanto a Rússia como os EUA estão interessados em tornar o Afeganistão um país estável, sobretudo após a retirada das tropas das Otan em 2014. “Colaboramos consistentemente com os russos no combate ao terrorismo e ao tráfico de drogas, e concordamos em diversas questões”, afirmou o general.

No entanto, um grupo de congressistas exige que a administração norte-americana se recuse a fazer novas compras de helicópteros russos Mi-17 para as forças armadas afegãs, citando como motivo a posição da Rússia em relação ao fornecimento de armas à Síria e o reduzido orçamento militar dos EUA para 2013.

 A Rosoboronexport, a única exportadora autorizada de armas da Rússia, e as autoridades do país nunca negaram estar vendendo armas à Síria, mesmo porque o fornecimento de arma de defesa a este país não é proibido pelo Conselho de Segurança da ONU. 

 

Publicado originalmente pelo Vzgliad

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.