Primeiro smartphone russo deve sair em setembro

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Apesar do design convencional, YotaPhone vai combinar dois monitores em um único dispositivo. Enquanto os usuários dos sites de TI de língua inglesa recebem a notícia com entusiasmo, público russo massacra o design e funcionalidade do aparelho.

É certo que o público de língua inglesa não é o único que pensa que o YotaPhone é ideal, e não são todos os russos que o condenam, mas esses são os sentimentos manifestados de uma forma geral. Além disso, não dá pra negar que é comum se falar mal de tudo o que é nacional na Rússia.

No entanto, é preciso para 2010, quando Serguêi Tchemezov, chefe da empresa estatal Rostetchnologi, mostrou o modelo do concorrente do iPhone para o então presidente russo, Dmítri Medvedev. Um vídeo curto desse encontro foi instantaneamente espalhado pela rede, e as pessoas riam e discutiam a próxima esquisitisse russa, além de falar sobre como o presidente foi iludido na frente de todo o país e sobre incapacidade das corporações locais de criar algo sozinhas, comprando apenas produtos acabados na China e Taiwan.

Foi exatamente essa demonstração precoce de um protótipo inoperante que trouxe uma onda forte de críticas sobre o futuro do YotaPhone, e a crítica naquele momento era completamente justificada. O que foi exibido para o presidente era um pedaço de plástico de design esquisito, juntamente com um esqueleto de projeto.

Na ocasião, ninguém acreditou no futuro do projeto, e a empresa Skartel (que iniciou o desenvolvimento do produto) nem poderia esperar atrair grandes investimentos de fora. Tudo o que restou para a companhia era contar com a ajuda do Estado e conduzir o seu projeto dentro dessa situação complicada. Atualmente, os desenvolvedores se separaram da corporação e o nome da nova empresa é Yota Devices.

No entanto, apesar das dificuldades, a empresa conseguiu cumprir sua missão. O protótipo do smartphone YotaPhone foi demonstradao ao mundo em primeira mão, no início deste ano, durante Feira da Eletrônica (Consumer Electronics Show), que ocorre anualmente em Las Vegas.

A sorte da empresa foi que, nos anos de 2012-2013, as grandes corporações do ramo se recusaram a exibir seus melhores produtos em feiras, dando preferência às apresentações individuais. Por isso, o YotaPhone praticamente não teve concorrentes durante a feira. Durante a exposição, o produto o ganhou até o Prêmio “Os Melhores da CES 2013” na categoria Mobile 2013 do portal cnet.com.

A Yota Devices na Rússia planeja começar a vender os dispositivos de seu smartphone no terceiro trimestre de 2013, e o preço aproximado será de US$ 660. A empresa salientou que não existem planos de produzir e vender aparelhos em grande escala, já que antes deseja provar a viabilidade do novo conceito.

Tela para leitura

O YotaPhone tem em sua concepção uma ideia nova e interessante, que é combinar dois monitores em um único dispositivo: um display colorido clássico e a tela que funciona como um papel eletrônico, a “e-ink”.

Essa solução permite estender a funcionalidade do dispositivo e aumentar o conforto do smartphone para a resolução de tarefas específicas, como, por exemplo, a leitura de livros. O diferencial em relação aos demais smartphones nesse aspecto é o tamanho da tela e sua qualidade. Na tela “e-ink” do YotaPhone, o usuário pode ler em uma tela especial que não cansa os olhos, como se o texto estivesse impresso em papel.

É possível utilizar o display de “e-ink” do YotaPhone também para outras tarefas. Ler mensagens de texto, ver as notícias no Facebook, usar para navegação e a leitura de notícias são algumas delas.

O mais importante, contudo, é que esse display acaba gastando menos bateria do que o colorido. Com o uso constante da tela principal, o YotaPhone permanece ligado por um dia ou um dia e meio, como qualquer outro smartphone moderno, mas, usando a tela de “e-ink”, o telefone poderá funcionar vários dias com uma única carga.

Internamente, o YotaPhone é equipado com um chipset da Qualcomm Dual-Core 1,5 Ghz de velocidade, 2 GB de memória RAM e 32 ou 64 GB de memória flash para armazenamento interno de dados do usuário. Cada uma das duas telas (tanto a principal, com resolução de 1280 x 720 pixels, como o segundo display, o “e-ink”) tem 4,3 polegadas.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.