Queda do Zenit expõe fragilidade do setor espacial russo

Foguete transportador russo-ucraniano Zenit. Foto: AP

Foguete transportador russo-ucraniano Zenit. Foto: AP

Embora causa permaneça incerta, acidente com foguete transportador russo-ucraniano preocupa especialistas quanto ao futuro da indústria espacial nacional.

No início de fevereiro, o foguete transportador russo-ucraniano Zenit com satélite de comunicação holandês da família Intelsat-27, lançado a partir da plataforma flutuante Sea Launch, caiu no Oceano Pacífico devido a uma falha no motor do primeiro estágio.

Criada em 1995, a Sea Launch é uma empresa de foguetes que opera a partir de uma plataforma de petróleo convertida no Oceano Pacífico. Embora tenha sede em Berna, na Suíça, a plataforma e o  navio de comando da Sea Launch estão situados em Long Beach, na Califórnia. A empresa pertence ao consórcio Sea Launch Company (SLC), cuja liderança está nas mãos da Enérguia, com 95% das ações. Por esse motivo, cada falha no lançamento prejudica a imagem dos veículos nacionais.

“O motor se desligou aos 49 segundos de voo. Estamos apurando as causas do acidente”, declarou o diretor da Corporação de Foguetes Espaciais Enérguia, Vitáli Lopota.

“Estamos muito decepcionados com o acontecido e pedimos desculpas aos nossos clientes da empresa Intelsat. Faremos o possível para nos recuperar desse acidente inesperado”, completou Kjell Karlsen, presidente da empresa Sea Launch.

Esse foi o quinto lançamento falhado do foguete transportador Zenit desde 2000. Mas a situação complica ainda mais pelo fato de o motor RD-171M, usado no primeiro estágio, ter sido fabricado pela empresa russa Energomach, motivo pelo qual a agência espacial russa (Roscosmos) está tentando eximir o lado russo de culpa pela falha.

“Uma análise rápida dos dados de telemetria permite afirmar que a unidade de propulsão do primeiro estágio e o sistema de controle do veículo estavam funcionando bem”, declarou a Roscosmos em um comunicado oficial.

No entanto, uma fonte da Roscosmos contatada pela agência de notícias Interfax contestou essa informação, afirmando que o foguete Zenit se tornou incontrolável logo após ser lançado. “O sistema de controle do bocal falhou antes de o veículo se desprender da rampa de lançamento.”

A causa do acidente pode ter sido, portanto, a baixa qualidade do motor ou do sistema de controle digital russo Biser-3.

Outra fonte citada pela Interfax sugeriu também que o mar estava muito bravo na hora de lançar o foguete e poderia ter desestabilizado seus sistemas de controle.

“Uma vez que o mar estava bravo qual era a necessidade de lançar o foguete?”, questiona o presidente da Federação de Cosmonáutica de São Petersburgo, Oleg Mukhin. “Acho que as causas são outras e não têm a ver com as condições no oceano.”

Os últimos acontecimentos envolvendo a indústria espacial russa nos últimos tempos têm gerado um forte impacto negativo sobre todo o setor espacial nacional. “Acidentes como esses eram comuns no início da era espacial quando os primeiros foguetes estavam sendo testados”, afirma o diretor do Instituto de Política Espacial, Ivan Moiseev.

“Desaprendemos a construir foguetes. Se tais acidentes ocorrem agora, muitos anos depois de termos ensaiado e verificado tudo, o problema é muito grave”, arremata Moiseev.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.