Novos postos de comando voadores entram em produção

Il-476 Foto: Divulgação

Il-476 Foto: Divulgação

País deu início à construção de novos postos de comando voadores a partir do avião Il-476 para substituir os antecessores instalados no avião Il-22 e desenvolvidos nos anos 1960, informou o Estado-Maior das Forças Armadas russas.

Os novos postos de comando voadores devem operar em modo digital e garantir uma comunicação de duas vias segura e confiável, além de possuir equipamento para neutralizar os meios de guerra eletrônica inimigos.

“O novo posto será integrado aos escalões operacional, tático e estratégico de um sistema automatizado de comando das Forças Armadas que está sendo criado”, diz o comunicado divulgado pelo Estado-Maior.

Década de 1970

Desenvolvimento do avião cargueiro IL-76, que, após profunda modernização nas décadas seguintes, deu origem à aeronave IL-476

 

Final dos anos 1980

Desenvolvimento do projeto preliminar do novo posto voador

 

Primavera de 2009

Conclusão do projeto preliminar do novo posto voador. Nessa época, planejava-se fechar um contrato com a Índia para a construção de seis Il-476

 

2010

Previsão (não cumprida) de desenvolvimento do protótipo para testes de resistência da estrutura no Centro de Aerohidrodinâmica

 

2011

Produção em série do Il-476 estava prevista para essa data, mas foi adiada

 

Outubro de 2012

Primeiro voo completo da aeronave. O Ministério da Defesa da Rússia e a Corporação de Aeronáutica Unificada assinaram um contrato de fornecimento de 39 aviões no valor de 140 bilhões de rublos (cerca de R$ 9 bilhões).

 

2013/2014

Previsão de conclusão do programa de testes 

 

De acordo com os militares, os postos de comando voadores Il-22  existentes estão desatualizados. Por outro lado, o IL-476 não pode substituir completamente o Il-22 por ter uma autonomia reduzida e elevado consumo de combustível.

“Os postos de comando voadores são necessários a comandantes de diferentes níveis. Por isso, precisamos de, pelo menos, 20, e, de preferência, 40 postos voadores”, disse uma fonte da indústria armamentista russa.

Segundo o site oficial do Kremlin, o presidente russo Vladímir Pútin, que exerce também as funções de Comandante Supremo das Forças Armadas do país, receberá neste ano dois novos aviões presidenciais IL-96-300 equipados com um posto de comando.

Atualmente, o chefe de Estado tem à sua disposição quatro aviões: um IL-96-300, um Il-62, um Tu-154 e um Iak-40.

A imprensa russa divulgou recentemente que os novos aviões presidenciais serão equipados com meios de comunicação e controle modernos, bem como sistemas de laser para desorientar e neutralizar os mísseis antiaéreos a serem lançados contra o avião.

Conforme o contrato com o Centro de Desenvolvimento em Tecnologias Aeronáuticas Iliuchin, o custo de dois aviões presidenciais beira os 10,39 bilhões de rublos (cerca de R$ 650 milhões), enquanto um avião comum desse tipo custa 1,2 a 1,5 bilhões de rublos (cerca de R$ 90 milhões).

“O avião presidencial é um posto de comando voador das tropas. Possui um monte de antenas de transmissão e recepção, além de sensores de toda a espécie que não podem ser colocados na superfície exterior da fuselagem. Caso contrário, o avião presidencial teria uma aparência terrível”, explicou uma fonte do Ministério da Defesa em entrevista ao jornal russo “Izvéstia”. “Por isso, muitos dos equipamentos são embutidos nas asas, empenagem, revestimento da fuselagem etc.”

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.