“Grandes projetos espaciais serão inviáveis sem integração internacional”

Presidente da agência espacial da Rússia Vladímir Popóvkin (na foto) faz balanço de 2012 e fala sobre os planos da corporação para este ano. Foto: TASS

Presidente da agência espacial da Rússia Vladímir Popóvkin (na foto) faz balanço de 2012 e fala sobre os planos da corporação para este ano. Foto: TASS

Plano de cooperação internacional da agência espacial da Rússia com a ESA (agência espacial europeia) foi destacado pelo presidente da corporação russa, Vladímir Popóvkin, em entrevista ao jornal “Izvéstia”.

Em entrevista ao jornal “Izvéstia”, o presidente da agência espacial da Rússia (Roscosmos), Vladímir Popóvkin, falou sobre os planos de construção de novos VLS (Veículos Lançadores de Satélites), de um centro de lançamentos espaciais e do desenvolvimento da cooperação internacional na exploração do espaço.

Izvéstia:Como foi 2012 para o setor espacial russo?

Vladímir Popóvkin: Em 19 de dezembro, concluímos a temporada de lançamentos –foram 28 lançamentos, além de 35 satélites colocados em órbita.

Infelizmente, devido ao mau funcionamento do estágio superior Briz-M, não conseguimos colocar em órbitas programadas os satélites Express-MD2, Telkom-3 e Iamal-402.

Dois lançamentos com a participação da Rússia foram realizados no Centro Espacial na Guiana Francesa e três foguetes foram lançados pela Sea Launch.

O número total de lançamentos realizados em 2012 é um pouco inferior ao registrado em 2011 [em 2011, a Rússia realizou 32 lançamentos espaciais, tirando os lançamentos a partir da plataforma marítima da Sea Launch e do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa].

Isso porque o mercado global de lançamentos espaciais sofreu uma ligeira contração. Como resultado, em 2012, praticamente todos os países fizeram menos lançamentos do que no anterior. 

Izvéstia:Em termos gerais, como foi o desempenho do setor em 2012?

V.P. Os resultados preliminares mostram que, em 2012, a indústria espacial russa teve um aumento de produção de 14,9% em relação ao ano anterior devido, em grande medida, à implantação do programa nacional de armamentos e ao aumento do financiamento no âmbito do programa espacial federal.

Outro marco importante foi o início das obras de construção do centro de lançamentos espaciais de Vostotchni, na região do Amur, onde já foram levantadas as fundações e estão sendo construídos sistemas de apoio energético e uma infraestrutura rodoferroviária.

Izvéstia:Os testes do foguete Angará serão realizados conforme o plano, ou seja, no próximo verão?

V.P: Estamos um pouco atrasados com as obras em relação ao cronograma. Mas os construtores e os fabricantes de equipamentos estão fazendo o possível para retomar o cronograma de obras até março de 2013.

O mês de março é um ponto de partida, quando devemos iniciar testes com uma maquete de cargueiro e uma maquete de reabastecedor.

Os lançamentos de teste do Angara serão realizados no verão de 2103. Disso temos certeza. No entanto, só poderemos falar de datas exatas em março.

Izvéstia: Os foguetes já estão prontos?

V.P.: O de pequeno porte está pronto. O foguete pesado ficará pronto no primeiro trimestre de 2013.

Izvéstia:Qual é a probabilidade de a prática de viagens turísticas à ISS (Estação Espacial Internacional) ser retomada? A imprensa noticiou que a cantora Sarah Brightman já está se preparando para a viagem.

V.P: Não somos contra, mas, até agora, não temos nenhum contrato assinado com ela a esse respeito. O acordo entre a Nasa (agência espacial americana) e a Roscosmos prevê uma expedição de 12 meses a bordo da ISS para 2015.

O prazo de garantia de permanência da nave Soiuz em órbita é de seis meses. Ou seja, durante a expedição, teremos que substituir a nave atracada à ISS. A questão é saber como fazer isso. Podemos colocar dois turistas na nave e trazê-la de volta à Terra ao fim de dez dias.

A segunda opção é enviar uma expedição. Acho que não seria racional enviar por conta do Estado um cosmonauta como turista por dez dias, tanto mais que nossos colegas europeus se manifestaram interessados em adquirir uma vaga para um astronauta.

Agora estamos medindo os prós e os contras e devemos tomar uma decisão definitiva ainda no primeiro trimestre.

Izvéstia:Como está o acordo sobre o projeto ExoMars com a ESA (Agência Espacial Europeia)?

V.P: Combinamos que iríamos trabalhar juntos. O acordo será assinado. Estamos começando a financiar esse projeto.

Izvéstia:Qual é o valor do financiamento?

V.P.: Suficiente para garantir sua implantação. 

Izvéstia:A Rússia tem outra contribuição a dar para esse projeto, além de um veículo lançador?

V.P.: Nossa participação não se esgota com a concessão de um veículo lançador.

Temos o seguinte plano de colaboração: em 2016, o foguete Proton irá lançar em direção a Marte um módulo orbital europeu, que levará  a bordo alguns instrumentos científicos russos e um módulo de pouso experimental, também de fabricação russa.

Em seguida, já em 2018, pretendemos enviar a Marte um carro com equipamentos europeu e russo para obter amostras do solo marciano a uma profundidade de vários metros. Os dados científicos serão retransmitidos para a Terra pelo módulo orbital lançado em 2016.

Em 21 de dezembro, em contato telefônico com o presidente da ESA, Jean-Jacques Dordenom, combinamos intensificar nossos esforços para que o acordo seja assinado no primeiro trimestre.

Temos uma plena compreensão mútua e sabemos que os adiamentos acontecem devido à complexidade dos procedimentos formais da ESA.

Izvéstia:Em quais outros projetos a Roscosmos irá cooperar com a ESA? Tem a intenção de refazer o projeto Fobos-Grunt, por exemplo?

V.P: Temos um acordo de cooperação com a ESA no projeto marciano. Trabalhamos juntos sobre a temática lunar, temos projetos conjuntos de estudos do Sol e de Ganímedes, satélite de Júpiter.

Em todas essas vertentes, temos grupos de trabalho mistos encarregados de preparar os respectivos acordos de cooperação. Devo dizer que grandes projetos espaciais serão inviáveis sem uma integração internacional.

 

Publicado originalmente pelo Izvéstia

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.