Yandex se torna membro associado de um dos projetos do Cern

Foto: TASS

Foto: TASS

Uma das maiores empresas de internet russa fechou um acordo de cooperação com o Centro Europeu de Pesquisa Nuclear. Como resultado, o Cern poderá desfrutar dos recursos de computação e tecnologias de processamento de dados da Yandex.

A Yandex, uma das maiores empresas da área de internet da Rússia, fechou um acordo de cooperação com o Cern (Centro Europeu de Pesquisa Nuclear) e se tornou membro associado do Cern openlab, projeto de cooperação do centro com empresas de TI, informou o diretor da empresa russa, Arkadi Voloj.

"Os métodos de aprendizagem de máquina usados por nossa empresa para as tarefas diárias em seus smartphones ou desktops também podem ser usados para a execução de missões mais sérias. Os mesmos algoritmos podem ser usados, por exemplo, na busca do bóson de Higgs", disse Voloj em conferência realizada entre domingo (20) e terça (22) em Munique.

No âmbito do acordo de cooperação, o Cern poderá desfrutar dos recursos de computação e tecnologias de processamento de dados da Yandex, incluindo a de aprendizagem de máquina Matrixnet, enquanto a Yandex terá mais oportunidades de participar de pesquisas realizadas no centro e o acesso aos resultados das experiências para melhorar suas tecnologias.

O Cern já utiliza a tecnologia Matrixnet  para a análise da desintegração dos mesóns (partículas elementares instáveis) e pretende ampliar no futuro a área de sua aplicação.

Por enquanto, os cientistas do centro utilizam a Matrixnet com a assistência de profissionais da Yandex, mas a empresa tem planos de desenvolver um serviço que permita aos cientistas do Cern usar a tecnologia por conta própria.

A Yandex começou a colaborar com o Cern em 2011. Em abril de 2012, os profissionais da Yandex desenvolveram para o Cern um serviço de busca para acelerar a consulta sobre as experiências no Grande Colisor de Hádrons. Entre os parceiros do Cern há várias outras empresas de TI, como a Intel, por exemplo.

 

Publicado originalmente pela agência RIA Nóvosti   

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.