Estações russas na Antártida terão internet assegurada, diz representante de agência

Estações antártica Vostok. Foto: RIA Nóvosti

Estações antártica Vostok. Foto: RIA Nóvosti

Recentemente, o chefe de pesquisas científicas do laboratório Aanii de mudanças climáticas e do meio ambiente, Aleksêi Ekaikin, que trabalha na Vostok, escreveu um post irônico em seu blog sobre a qualidade da conexão disponível para os pesquisadores.

Todos as estações russas antárticas terão assegurada conexão à internet por satélite nesta temporada. Até fevereiro será concluída a configuração para as estações Vostok e Mirny, informou um representante do Aanii (Instituto de Pesquisas do Ártico e Antártico Roshidromet) para a agência “RIA Nóvosti”.

Recentemente, o chefe de pesquisas científicas do laboratório Aanii de mudanças climáticas e do meio ambiente, Alexei Ekaikin, que trabalha no momento na Vostok, escreveu um post irônico em seu blog sobre a qualidade da conexão disponível para os pesquisadores.

"A civilização irrompeu em forma de internet para os pesquisadores. No entanto, dizer que ela ‘irrompeu’ é um pouco de exagero de minha parte. Com uma velocidade de 128 Kbites/segundo seria melhor dizer que ela veio ‘se arrastando com dificuldade’. Para navegar na web, você precisa de uma paciência dos infernos e grande quantidade de tempo, e eu não tenho nem uma nem outra”, disse o cientista.

Como explica o representante do Aanii, as estações Bellingshausen, Progress e Novolazarevskaya compartilham um canal com 128 kbit/s com a Roskosmos: em suma, em cada estação a velocidade da internet não é maior que 64 Kbit/s.

“Especialistas trabalham na estação Vostok para modernizar a antena parabólica que permitirá que os exploradores polares se conectem à internet. O mesmo trabalho está sendo feito na Mirni. No final da temporada (em fevereiro) certamente completaremos todo esse trabalho. Por enquanto estamos fazendo os ajustes”, informou o instituto.

No entanto, as características geográficas da estação Vostok (na área do Pólo Sul), em uma latitude onde todos os satélites estão na linha do horizonte, não asseguram um sinal 24 horas por dia.

Por enquanto a internet irá assegurar somente o acesso para os emails e telefonia, disse a fonte no Instituto para a “RIA Nóvosti”. Videoconferências e navegação livre na internet dificilmente serão possíveis.

"As pessoas nas estações são muito carregadas de trabalho e têm uma agenda apertada porque a prioridade é única, assegurar que todos os programas científicos sejam completados e garantir o envio de todos os boletins operacionais aconteçam dentro dos prazos", disse o interlocutor da agência.

No que diz respeito à internet nas estações antárticas estrangeiras, "cada um tem de forma diferente”, acrescentou a fonte.

Na estação americana McMurdo, por exemplo, uma boa conexão de internet é mantida desde o final dos anos 1990, graças a um sistema de órbita baixa, o Argos.

Chile e Argentina também têm sistemas semelhantes, que permitem a passagem de satélites sobre as estações terrestres. As estações chinesas usam sistemas geoestacionários. Outros países estão comprando serviços de comunicações de seus vizinhos.

Publicado originalmente pela agência RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.