Países do Brics criarão fundo de garantia de títulos soberanos

“A ideia foi elaborada pela China e o Banco Central da Rússia não se opõe ao plano”, disse o ministro das Finanças da Rússia, Anton Siluanov.

“A ideia foi elaborada pela China e o Banco Central da Rússia não se opõe ao plano”, disse o ministro das Finanças da Rússia, Anton Siluanov.

Grigory Sysoev / RIA Novosti
Valor do fundo é estimado em US$ 10 bilhões.

Os ministros das Finanças e diretores dos bancos centrais dos países do Brics concordaram com a criação de um fundo de garantia de títulos soberanos, no valor de US$ 10 bilhões. A decisão foi confirmada durante encontro em Xangai no domingo (18) e segunda-feira (19).

Segundo a agência de notícias TASS, a Rússia será responsável por 18% do valor do projeto, ou US$ 1,8 bilhões.

“O novo fundo juntará o bancos nacionais dos membros do grupo. A ideia foi elaborada pela China e o Banco Central da Rússia não se opõe ao plano”, disse o ministro das Finanças da Rússia, Anton Siluanov, ouvido pela TASS.

“Trata-se de um mecanismo de segurança para os países que realizam poucas emissões de dívidas. As reservas vão garantir a maior confiabilidade dos títulos emitidos pelos membros do grupo”, disse.

Segundo uma fonte da TASS na delegação russa, a China será o maior investidor no fundo, com participação de US$ 3,5 bilhões. A Rússia, o Brasil e a Índia investirão US$ 1,8 bilhão cada, e a África do Sul injetará US$ 1,1 bilhão.

Durante o encontro, os representantes do grupo discutiram a possibilidade de criação da sua própria agência de classificação de risco, mas, de acordo com o ministro russo, a decisão final não foi tomada. "A Rússia concorda que é preciso criar uma única agência para os cinco países do Brics. No entanto, segundo o modelo atual, a agência avaliará os indicadores apenas dos países membros do grupo. Precisamos receber os ratings de todos os países do mundo para atrair investidores estrangeiros”, declarou Siluanov.

O ministro explicou que para realizar investimentos domésticos na Rússia e emitir obrigações será possível usar os dados das agências de rating registradas na Rússia. Mas ele pontuou que, para avaliar as emissões dos títulos nacionais para investidores estrangeiros, será preciso receber as avaliações das agências de classificação de risco internacionais.

Força das moedas nacionais

O presidente do Novo Banco de Desenvolvimento do Brics (NBD), Kundapur Vaman Kamath, disse à agência TASS que os países do grupo precisam demonstrar a força das moedas nacionais e usá-las para financiar projetos.

“Assim, os membros do grupo poderão se distanciar da volatilidade do mercado de câmbio”, disse Kamath.

"Durante a próxima cúpula do Brics, na cidade de Xiamen, o NBD vai relatar sobre os aspectos relacionados à criação de uma base para futuros trabalhos, início de financiamentos e planos para a sua expansão em 2017", afirmou.

Kamath ainda afirmou que, em 2017, o Banco analisar de 10 a 15 projetos de investimento", disse.

"Na minha opinião, conseguimos resolver essa tarefa com sucesso, criamos uma equipe multinacional, que inclui representantes de todos os cinco países membros do Brics”, completou.

A Rússia já sinalizou positivamente sobre o início dos investimentos em rublos.  

O Novo Banco de Desenvolvimento do Brics foi criado pelos países  do bloco —Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul— em julho de 2014. Com sede em Xangai, a instituição pretende financiar projetos de infraestrutura nos territórios dos membros e em outras economias emergentes.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.