Brics poderão desenvolver estação espacial com a Rússia

Segundo Rogózin, segmento orbital russo já é autossuficiente

Segundo Rogózin, segmento orbital russo já é autossuficiente

TASS
Planos de vice-premiê incluem acoplagem de novos módulos ao segmento russo da ISS (Estação Espacial Internacional). Atual cooperação com EUA segue até 2024.

O vice-primeiro-ministro da Rússia, Dmítri Rogózin, instruiu a agência especial russa Roscosmos a estudar a possibilidade de desenvolver a Estação Espacial Internacional em parceria com os demais membros do Brics (Brasil, Índia, China e África do Sul).

“Por enquanto, concordamos de trabalhar com os norte-americanos na ISS até 2024, mas devemos ter em mente que, a partir de 2019, eles vão lançar tripulações espaciais por conta própria, usando seus próprios veículos”, declarou Rogózin.  

O vice-premiê destacou que, futuramente, a ISS será cada vez mais comercializada e que o projeto da estação possui prazos próprios.

“A data de encerramento do projeto será decidida em negociações com os nossos parceiros dos EUA”, disse. “Mas a questão aqui é outra: ninguém duvida que a Rússia precise de uma estação operacional em órbita – seja um novo laboratório espacial nacional ou um projeto internacional.”

A ideia de Rogózin é que o atual segmento russo da ISS continue envolvido em futuros projetos, inclusive com os membros do Brics. “Nós não vamos descartá-lo de modo algum. [O funcionamento do segmento] é absolutamente viável até 2024.”

O segmento orbital russo já é autossuficiente. No futuro, porém, planeja-se a acoplagem de dois novos módulos – um chamado ‘Nauka’ (Ciência) e um módulo de energia.

“Em outras palavras, aumentaremos o segmento da Rússia na ISS com módulos complementares. Uma nova configuração da estação orbital surgirá com base nesse princípio”, explicou Rogózin. Segundo ele, também deverá ser decidido se a estação será habitada permanentemente ou usada por tripulações itinerantes.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.