Líderes do Brics discutirão situação na Síria, segundo Riabkov

"A chegada ao poder da nova liderança brasileira não levou a um congelamento da cooperação", diz vice-chanceler russo. Foto: PhotoXpress

"A chegada ao poder da nova liderança brasileira não levou a um congelamento da cooperação", diz vice-chanceler russo. Foto: PhotoXpress

Em entrevista, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia adiantou pauta da 8ª Cúpula do Brics, em Goa, e comentou participação brasileira no grupo com presidência de Michel Temer.

 

Em entrevista à agência de notícias Ria-Nôvosti, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguêi Riabkov, declarou que os líderes dos países do grupo assinarão documento sobre cooperação e discutirão situação no Oriente Médio durante a 8° Cúpula do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que ocorre de 15 a 16 de outubro em Goa, na Índia.

Quais serão os temas principais da próxima cúpula do Brics, em Goa?

A Cúpula do Brics é um evento muito importante. Não apenas para a imprensa, mas do ponto de vista político, ela tem um impacto significativo sobre os processos econômicos internacionais.

Como reza a tradição, no final da cúpula os líderes dos países-membros assinarão uma declaração final. É um texto abrangente que cobre todos os aspetos da cooperação e avalia todos os processos mais relevantes.

Estamos elaborando esse documento, e 80% dele serão dedicados a questões econômicas. Sua aprovação está em fase avançada.

Após a cúpula do G-20 em Hangzhou, o grupo Brics continua a coordenar estreitamente suas posições. Este processo é bem-sucedido.

A Índia, que preside o grupo neste ano, apresentará diversas iniciativas que visam a reforçar a cooperação dentro do grupo, especialmente nas áreas de agricultura, transporte ferroviário, acesso à água, além de outras áreas de importância prática para todos os participantes. 

Os indianos mostraram uma abordagem muito cuidadosa e criativa desses assuntos. Apesar do criticismo e de algumas dificuldades econômicas, a cooperação entre os Brics está ganhando velocidade.

Os líderes pretendem discutir assuntos políticos?

Na área política, não podemos ignorar a discussão no mais alto nível do problema do terrorismo e da situação no Oriente Médio e na Síria.

Todos os países do Brics estão enfrentando o problema do terrorismo, de alguma maneira ou de outra. Esse desafio é constante e perigoso.

Mas não estamos só falando, já começamos a cooperação prática. Algumas semanas atrás, realizamos a primeira reunião do grupo de trabalho que discutiu as abordagens práticas da intensificação da cooperação entre os Brics na luta contra o terrorismo.

A situação no Oriente Médio e o problema sírio estarão refletidos no documento final, além de outras questões internacionais atuais, como os problemas climáticos e a reforma da ONU e do Conselho da Segurança. No momento, estamos coordenando o texto do documento, é cedo divulgar os detalhes

Os países do Brics têm uma posição comum sobre a Síria e o terrorismo?

Cada país avalia esses problemas baseando-se na sua própria experiência, em suas prioridades e preferências.

Sem falsa modéstia, posso afirmar que a Rússia está mais envolvida nesses assuntos que nossos outros parceiros no grupo. Assim, com todo respeito ao papel desempenhado pelos nossos amigos chineses, indianos, colegas da África do Sul e do Brasil, a voz da Rússia tem mais peso.

Temos grande respeito às abordagens dos nossos colegas, mas esperamos que as avaliações e as abordagens russas também sejam incluídas no documento final da cúpula. O mais importante a saber é que os outros Brics não apoiam uma solução militar para o conflito sírio, uma mudança violenta de governos 'indesejáveis' e a divisão de terroristas entre bons e maus. Ou seja, esses 'pecados' de alguns de nossos outros parceiros ocidentais.

Como a crise política no Brasil pode afetar sua participação do grupo?

Não vejo qualquer razão para afirmar que a chegada do presidente Michel Temer ao poder jogar sombra sobre o Brasil ou alterar a atitude do país, que tem aprofundado a cooperação no Brics.

Além disso, durante a cúpula informal dos Brics em Hangzhou, a parte brasileira demonstrou disposição para continuar a trabalhar da maneira habitual.

O Brasil participa de todos os eventos do Brics e promove ativamente suas ideias. A luta contra o terrorismo é um dos exemplos que mostra seu papel, muito ativo e positivo, no Brics. Sentimos que a parte brasileira dá continuidade não apenas a um diálogo político, mas a um diálogo interativo, isto é, expande as áreas de entendimento mútuo e as abordagens comuns.

A chegada ao poder da nova liderança brasileira não levou a um congelamento da cooperação. A continuidade do trabalho no formato Brics é garantida, e isso é muito positivo.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.