África do Sul é o menos corrupto entre Brics, revela pesquisa

Brasil teve a maior queda entre todas as 168 nações pesquisadas

Brasil teve a maior queda entre todas as 168 nações pesquisadas

PhotoXPress
Escândalo da Petrobras fez Brasil despencar em ranking global da ONG Transparência Internacional. Embora ocupe última posição entre países do bloco, Rússia conseguiu subir 17 posições por investir em campanha anticorrupção.

A África do Sul é o país menos corrupto entre os membros do Brics (Brasil, Rússia, Índia e China), segundo o ranking global de corrupção produzido pela ONG Transparência Internacional e divulgado nesta quarta-feira (27).

Enquanto a África do Sul ficou classificada em 61º lugar, o Brasil caiu sete degraus e passou a ocupar a 76ª posição. “O escândalo Petrobras levou as pessoas às ruas e o processo judicial pode ajudar o Brasil a deter a corrupção”, lê-se no relatório.

O país teve a maior queda entre todas as 168 nações pesquisadas. “Não é de se surpreender que o Brasil, em meio ao maior escândalo de corrupção de sua história, tenha sido o país da América que mais caiu no índice este ano”, acrescenta o relatório.

A Índia também foi colocada no 76º lugar, enquanto a China ficou na 83ª posição, e a Rússia, na 119ª, junto com Guiana, Azerbaijão e Serra Leoa.

“Todos os Brics enfrentam desafios”, disse à agência AFP Robin Hodess, diretor do Transparência Internacional responsável pela pesquisa.

“No geral, acho que é muito importante que não só o governo entre com as reformas que estamos buscando – mudanças políticas e o reforço delas –, mas que esses países prestem atenção ao povo, aos esforços de seus cidadãos”, acrescentou Hodess.

Na véspera da divulgação do ranking, o presidente russo Vladímir Pútin conduziu uma reunião sobre combate à corrupção no país. Entre outros fatores, exigiu que o Estado apreenda e confisque propriedades que pertencem a oficiais corruptos.

A missão, segundo Pútin, é “brecar as tentativas de suborno por autoridades russas que eventualmente se mudam para países estrangeiros”.

Em resposta ao ranking, o deputado Aleksandr Khinchtein, do partido governista Rússia Unida, disse ao jornal “RBC” concordar que o nível de corrupção no país é “bastante alto”, embora a Rússia tenha subido 17 posições no ranking. “Mas, se falarmos sobre as iniciativas legislativas e das autoridades, a situação está mudando”, disse.

Ranking

Dois terços dos 168 países pesquisados pela ONG Transparência Internacional apresentaram pontuação abaixo de 50, em uma escala de 0 (percebidos como altamente corruptos) a 100 (altamente íntegros).

“A corrupção pode ser derrotada se trabalharmos juntos. Para acabar com o abuso de poder, corrupção e (...) acordos secretos, os cidadãos devem se unir para dizer a seus governos que já não aguentam mais”, disse José Ugaz, presidente da ONG.

Os três países com menor nível de corrupção, segundo o estudo, são Dinamarca, Finlândia e Suécia. Já a Coreia do Norte e a Somália, que receberam apenas oito pontos, amargam o último lugar do ranking.

Com material do jornal RBC e da agência Tass

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.