Rússia precisa melhorar sua rede hoteleira

Foto: RIA Nóvosti

Foto: RIA Nóvosti

Nossa tarefa é criar uma operadora de hotéis que venda um padrão específico de gestão de negócios através de um sistema de franquia, com uma bandeira clara e reconhecível em todo o país, diz analista.

Há algumas décadas as marcas Holiday Inn e Marriot fizeram uma reviravolta no negócio hoteleiro dos Estados Unidos, criando uma rede de franquias de hotéis pelo país inteiro, onde os hóspedes poderiam obter um certo padrão de serviços de hotelaria.

Era uma espécie de fast-food hoteleiro, graças ao qual os viajantes poderiam viver, no meio do Arizona, nas mesmas condições que em Nova York.

Há tempos esta história de sucesso desafia os meus pensamentos. A Rússia, com a sua enormidade geográfica, foi criada para um negócio potencialmente enorme. Os russos, que estão apenas começando a se envolver pelo espírito de viagens, muito em breve vão querer fazer passeios em massa em automóveis pela vastidão do país.

Nosso mercado hoteleiro por enquanto não possui qualquer figura sólida, que defina um padrão. A transferência da ideia de negócio que se tornou popular em um país com extensões geográficas semelhantes e crescente integração de diversas regiões pode perfeitamente tornar-se bem sucedida aqui.

Nossa tarefa é criar uma operadora de hotéis que venda um padrão específico de gestão de negócios através de um sistema de franquia, com uma bandeira clara e reconhecível em todo o país. O padrão de serviços deverá estar entre a classe econômica e uma média de três estrelas.

Sob a nossa bandeira deve haver centenas ou milhares de hotéis em todo o país, nas mais diversas cidades, em estradas movimentadas, aeroportos e estações de trem e assim por diante. O principal é que sejam unificados por um único padrão de qualidade em que se sustenta a credibilidade de sua bandeira.

Existem na Rússia várias redes, com suas dezenas de hotéis, mas sem um padrão de qualidade –teste feito pessoalmente­– e com uma política de preços não totalmente clara. Muitas dessas redes tomaram monstros em forma de hotel do passado soviético para gerir, mas não oferecem padrões modernos de qualidade .

Devemos construir o negócio com base em algumas regras claras:

1) O complexo hoteleiro deve ser novo (não mais de 10 anos) e pertencer ao franqueado;

2) Uma revisão trimestral deve ser realizada por uma comissão de auditoria;

3) Deve haver um cumprimento integral dos requisitos quanto à visualização de números,  sinalização, restaurantes, estacionamentos e anúncios nas estradas;

4) Deve haver o pagamento de franquia anual (para diferentes regiões, diferentes valores);

5) Deve haver um sistema único de distribuição e de marketing, gerido a partir de um escritório principal.

Localização

Rotas de acesso para grandes cidades, aeroportos, estações e grandes zonas industriais são lugares ideais para os nossos hotéis. Não há necessidade de entrar nos centros das cidades – lá, geralmente, os imóveis são mais caros e será difícil manter um determinado nível de serviço por um preço baixo.

Principal público alvo? Viajantes em automóveis, famílias jovens ou estudantes, viajantes a negócios, de nível baixo e médio.

Como orientar estrategicamente as vendas? É interessante buscar contratos com grandes corporações, que irão assegurar uma ocupação estável apropriada para o negócio,  em diversas regiões.

O ganho será feito através de cobranças de franquia, que devem variar de região para região.

Será necessária uma quantidade significativa de dinheiro para o lançamento e desenvolvimento inicial do projeto. O principal gasto será dispendido na seleção do time: existem poucos gerentes de hotéis competentes na Rússia e estes valem seu peso em ouro.

Não está excluída a necessidade de convidar gestores estrangeiros para se estabelecer um nível de serviço. Para um início bem sucedido será necessário encontrar vários hotéis em diversas regiões e pelo menos um em Moscou. 

De acordo com estimativas conservadoras, para o lançamento do projeto, serão necessários cerca de US$ 10 milhões a US$ 50 milhões, quantia que, na minha opinião, vale a pena ser investida.

Uma rede como esta terá muitas vantagens. O mais importante será criar uma força necessária para a bandeira.

Por ter viajado o ano de 2012 inteiro pela Rússia, posso confirmar que é fácil encontrar um nível ruim de hotéis, mas que se anunciam em diversas fontes como caros e de prestígio. As cadeias internacionais na Rússia são mal representadas, embora os Ibis de Nizhny Novgorod e Kazan salvem a situação geral.

Este projeto tem um enorme potencial. Os russos só começaram agora a ganhar um pouco de dinheiro extra para viagens, as empresas estão à procura de novos mercados e novos parceiros, e em 2018o país sedia a Copa do Mundo de futebol.

Os pré-requisitos para o sucesso são muitos, mas faz-se necessário uma natureza autoritária para a gestão de um negócio destes, onde os parceiros que não estão em conformidade com as regra de franquia podem ser imediatamente excluídos do sistema.

A eliminação da corrupção dentro do comitê de auditoria e o treinamento dos franqueados locais são, na minha opinião, os parâmetros mais difíceis do projeto

 

Leonid Frolov é cofundador da web startup Venture Street, com sede em Moscou

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.