Temer deverá visitar Rússia neste ano, diz embaixador

Em nota após posse, chancelaria russa chegou a agradecer Temer pelo “desenvolvimento contínuo de laços entre os países”

Em nota após posse, chancelaria russa chegou a agradecer Temer pelo “desenvolvimento contínuo de laços entre os países”

Reuters
Consultas entre ministérios das Relações Exteriores dos dois países terão início em breve, segundo o embaixador do Brasil em Moscou, Antonio Luis Espinola Salgado. Meta, segundo diplomata, é recuperar tempo perdido na crise política brasileira.

O presidente do Brasil, Michel Temer, pode visitar a Rússia neste ano, segundo informou o embaixador brasileiro na Rússia, Antonio Luis Espinola Salgado, em conversa com o chefe da comissão de assuntos internacionais do Senado russo, Konstantin Kossatchev.

“Este ano (...) uma visita do presidente do Brasil à Federação Russa é bastante provável”, disse o diplomata brasileiro a Kossatchev.

O embaixador disse também que a crise interna que atingiu o Brasil no ano passado teve um efeito negativo na cooperação com outros Estados, incluindo a Rússia. “Este foi um ano de esperanças frustradas”, disse ele, expressando esperança de que, em 2017, os países sejam capazes de compensar o tempo perdido.

Ainda de acordo com Salgado, os ministérios das Relações Exteriores de ambos os países deverão realizar consultar “em breve”, assim como é esperada uma reunião da comissão intergovernamental para o comércio e a cooperação econômica.

Temer assumiu a liderança do país em 31 de agosto de 2016, após Dilma Rousseff sofrer impeachment sob a acusação de crimes de responsabilidade fiscal – as chamadas “pedaladas fiscais” e os decretos que geraram gastos sem autorização do Congresso Nacional.

Após a decisão, o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo divulgou uma nota destacando a importância do respeito ao quadro constitucional e à legislação do Brasil, e urgiu para que a ação não aprofundasse as divisões na sociedade brasileira.

Futuro da cooperação

O Brasil também está interessado em desenvolver uma cooperação multifacetada com a Rússia, incluindo espaço, defesa e cooperação científica, segundo Salgado.

Em contrapartida, Kossatchev destacou que os dois países possuem diversas esferas de interesses mútuos “que abrem caminho para relações mais próximas”, entre elas pesquisa espacial, construção de máquinas e indústria de energia.

“Temos um enorme potencial em termos de cooperação bilateral. Podemos nos complementar de muitas maneiras; em primeiro lugar, na agricultura, bem como na indústria de energia e no setor de energia nuclear”, continuou o embaixador brasileiro. “Sem dúvida, pretendemos desenvolver mais a cooperação espacial e de defesa.”

Na semana passada, por exemplo, Salgado reuniu-se com o presidente da Fundação Skôlkovo, Víktor Vekselberg, para discutir as perspectivas de cooperação científica e técnica entre o Brasil e a Rússia. “Tenho a sensação de que seremos capazes de implementar uma série de projetos planejados”, concluiu o diplomata.

Os dois países já cooperam bilateralmente em pesquisas espaciais, bem como no âmbito do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Em abril de 2016, Brasília e Moscou assinaram um contrato para a instalação de um complexo optoeletrônico russo, para detectar detritos espaciais, em um observatório brasileiro. Em novembro passado, foi anunciado que o satélite russo Canopus se tornaria parte de uma constelação de sensoriamento remoto da Terra criada pelos Brics.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.