Filial da Rosatom construirá centro nuclear no Brasil

Para diretor da empresa russa, tecnologia nuclear aumentará segurança e qualidade de produtos médicos no Brasil.

Para diretor da empresa russa, tecnologia nuclear aumentará segurança e qualidade de produtos médicos no Brasil.

Planta processará produtos médicos e farmacêuticos, além de cosméticos.

A "OIK" (da sigla em russo, "Corporação Unida de Inovação", empresa que faz parte da corporação Rosatom) e a brasileira "CK3 Consultoria e Participações" assinaram um memorando de entendimento para desenvolvimento do projeto de um "Centro Nuclear no Brasil".

O documento foi assinado pelo diretor-geral da OIK, Denís Tcherednitchenko e o diretor da "CK3", Renato Cherkezian.

De acordo com o documento, as partes irão trabalhar em parceria e combinar esforços para realizar o projeto de criação (projeto e construção) e exploração de um centro nuclear em território brasileiro.

O centro usará tecnologia com base em aceleradores de ele elétrons  para processamento nuclear de produtos médicos, preparados farmacêuticos e cosméticos, entre outros.

"O uso de tecnologia nuclear na saúde no Brasil permitirá elevar substancialmente a segurança e a qualidade dos produtos e serviços fornecidos. Com a ajuda do processamento nuclear, pode-se esterilizar de modo efetivo grandes volumes de produtos medicinais embalados hermeticamente, o que diminui muito o risco de contaminação na etapa de produção. A produção processada pelo método de esterilização nuclear também permite aumentar o potencial de exportação das companhias brasileiras produtoras de artigos para medicina", diz Tcherednitchenko.

A "OIK" foi fundada em 2011 como filial 100% pertencente à Rosatom.  As atividades da companhia estão fundamentadas em três áreas de alta tecnologia: soluções complexas na área de medicina nuclear; centros multifuncionais de radiação; e em ecologia, incluindo a gestão e tratamento de  resíduos hospitalares sólidos perigosos e outros possíveis usos de tecnologias radioativas.

Com a agência Tass

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.