Esquema que enganou milhões de russos chega ao Brasil

Fundador do esquema, Mavródi ficou preso de 2003 a 2007.

Fundador do esquema, Mavródi ficou preso de 2003 a 2007.

Kommersant
Símbolo da ingenuidade econômica do russo nos anos 1990, empreendimento faz sucesso na China e África do Sul.

Nos anos 1990, surgiram na Rússia recém-aberta diversos esquemas em pirâmide, ou seja, modelos comerciais que dependem do recrutamento de outras pessoas a níveis insustentáveis sob a promessa de grandes rendimentos.

O maior e mais marcante deles na Rússia foi o MMM, de Serguêi Mavródi, registrado ainda em 1989. Em apenas seis meses, a partir do início de suas operações como pirâmide, em 1992, 15 milhões de pessoas investiram nesse esquema - e praticamente todas perderam integralmente seus investimentos.

Agora, aos 60 anos de idade, 4 deles passados atrás das grades, entre 2003 e 2007, o matemático volta a aplicar o golpe, desta vez, no exterior. Além do Brasil, seu "Fundo Global de ajuda mútua" já foi implementado em 106 países, gozando de particular interesse na África do Sul, China e Índia.

Em sites de downloads como o Pirate Bay, a página brasileira do esquema aparece em um pop-up indesejável e em mau português.

"Isso é uma comunidade de pessoas comuns, que se ajudam mutuamente, um Fundo Global de ajuda mútua. É o primeiro broto de algo novo no rude e cruel mundo contemporâneo da ganância e do dinheiro difícil de ganhar", lê-se na home do site brazil-mmm.net.

Fugindo da fama

Após o colapso da MMM na Rússia, em 1997, a figura de Mavródi é reconhecida e causa de aversão em todo o país.

Assim, seu novo empreendimento, a MMM Global, preferiu entrar em mercados mais distantes: em países africanos, asiáticos e sul-americanos. Já na Europa, suas atividades foram rapidamente detectadas e suspensas.

O sucesso dos esquemas locais da MMM tem revelado que as populações da China e da África do Sul estão ávidas por dinheiro fácil e um tanto iletradas nos princípios da economia.

Site brasileiro da MMM abre em pop-up de página de download. Foto: DivulgaçãoSite brasileiro da MMM abre em pop-up de página de download. Foto: Divulgação

"As pirâmides de Mavródi são muito características: os pagamentos são feitos pelos participantes seguintes. As pirâmides diferem das bolhas especulativas, quando os preços dos ativos são remarcados, como aconteceu nos EUA em 2008. As pirâmides não têm quaisquer ativos, são um esquema puramente criminoso, e Mavródi não esconde que seu empreendimento é uma pirâmide", explica a professora de sociologia econômica da Escola Superior de Economia, Olga Kúzina.

"As pessoas são atraídas pelas promessas de grandes porcentagens sobre os lucros, muito superiores a quaisquer outras no mercado. Nem todo mundo percebe que, quanto maior o lucro, maiores os riscos", completa.

Chineses e sul-africanos se deixam levar por promessas de até 30% de lucro ao mês; indianos, de 60%; e malásios, de 100%.

Bitcoins

Hoje, a empresa tem trabalhado com Bitcoins, ou seja, criptomoedas que compõem um sistema de pagamentos on-line que não é intermediado por qualquer instituição financeira.

Assim, os chineses passaram a buscar tanto os Bitcoins para depositá-los na MMM, que o preço da moeda virtual aumentou consideravelmente.

Em uma entrevista ao Financial Times neste ano, Mavródi revelou que a MMM China iniciou as atividades em abril de 2015 e confirmou que o novo esquema aceita Bitcoins, entre outras moedas.

Mas sua MMM Global trabalha exclusivamente com Bitcoins e, segundo o fundador, rende lucros de 100% ao mês a seus investidores.

Modernização

Em pleno século 21, Mavródi também mostra ter modernizado suas técnicas para atrair novos investidores: além dos pop-ups na internet, a publicidade da MMM é feita com declarações em vídeo no YouTube feitas pelos próprios participantes de suas novas pirâmides.

Os investidores que conseguem receber algum lucro com o esquema antes do colapso da pirâmide (o "restart", na terminologia de Mavródi) agradecem ao destino e a Mavródi em muitas línguas, que podem ser assistidas em clipes curtos publicados na internet.

O uso do vídeo em si, porém, não é uma novidade para a MMM e, ainda nos anos 1990, o esquema chegou a proporções tão impensáveis que passou a se valer de comerciais de TV com uma das atrizes mexicanas mais famosas da época, Veronika Castro, que era a paixão nacional russa com seu protagonismo na novela "Simplesmente Maria", transmitida então no país.

Fonte: YouTube/Peter Forster

A genialidade - ou sorte - de Mavródi naqueles anos ficou provada até durante sua primeira detenção relacionada às pirâmides, em 1994 - ele já havia passado dez dias na prisão em 1983 por "atividade empresarial ilegal", quando foi pego produzindo cópias piratas de fitas VHS.

Em agosto de 1994, porém, de dentro da prisão, o matemático russo registrou-se como candidato a deputado. Quando obteve o registro de candidato, em setembro, foi automaticamente solto.

Em outubro, foi eleito e abriu mão do salário e de todos os privilégios, deixando claro que buscou o posto apenas para obter imunidade parlamentar. Não compareceu a uma única plenária durante o período de um ano em que ocupou o cargo.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook