Oi recebe proposta de investimento russa de US$ 4 bi

Reuters
Condição para investimento seria fusão da operadora com a subsidiária brasileira da Tim.

A LetterOne, companhia do bilionário russo Mikhail Fridman, anunciou ter intenções de investir 4 bilhões de dólares na Oi, de acordo com a operadora brasileira.

A Oi recebeu por meio do banco de investimentos BTG Pactual a proposta da LetterOne, que fala em iniciar as negociações "sobre a possível transação com o objetivo de uma possível consolidação do setor de comunicações brasileiros com a potencial participação da TIM".

Em agosto do ano passado, a assessoria da Oi anunciou que essa estava analisando a possibilidade de fusão com outras operadoras, entre elas, a Tim Participações, subsidiária da Telecom Itália no Brasil.

Nesse período, a Oi contratou o BTG Pactual para analisar possíveis negociações.

"Atualmente, a LetterOne é o mais conhecido consórcio de investidores russos no exterior. Sua base se concentra nos sócios do Alfa-Group, o maior grupo financeiro na Rússia atual: Mikhail Fridman, Aleksêi Kuzmitchov e Guêrman Khan", diz  o analista de mercado Aleksêi Lossan.

"Com a venda de sua parte no empreendimento petrolífero à inglesa BP, a empresa captou quase 16 bilhões de dólares, que investe ativamente em projetos no exterior. Por exemplo, uma parte foi para a compra, por 5,5 bilhões de dólares, da companhia de petróleo e gás europeia DEA, seguida pela transação, por, 1,1 bilhão, de fontes no Mar do Norte. As telecomunicações estão entre suas principais tendências de negócios , assim como o investimento no segmento de petróleo e gás", completa.

Quem é Mikhail Fridman

Mikhail Fridman, 51, é o segundo empresário mais rico da Rússia, segundo o ranking de 2015 da revista Forbes, com um patrimônio de US$ 14,6 bilhões.

É sócio e presidente do conselho do Alfa Group, consórcio que inclui banco de varejo, de investimentos, seguradoras, redes de supermercados etc., detendo 40% das ações do grupo.

Fridman é russo, mas tem cidadania israelense e vive em Londres, além de falar ucraniano. É membro do conselho da VimpelCom, holding de telecomunicações com ativos em países da CEI (Comunidade dos Estados Independentes), Itália e países asiáticos e africanos.

Foi um dos fundadores , em 1996, do Congresso Russo-Hebreu, do qual se tornou vice-presidente e líder do comitê de cultura. Tem prestado auxílio considerável a iniciativas judias nos últimos anos na Rússia e na Europa, com a criação do Fundo Hebreu Europeu e de organizações em prol de uma Europa mais tolerante.

Entre 1995 e 1998, fez parte do conselho de diretores da companhia de TV "ORT" (da sigla em russo "Televisão Pública Russa").

Em 2009, teve um encontro com o então presidente russo Dmítri Medvedev que observadores relacionaram com o conflito posterior entre o Alfa Group e a holding "Bázovi element", de Oleg Deripaska.

 

Com material do jornal econômico RBC.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies