Paranauê com sotaque russo

Denis Okhótnikov e “Mestre Leão” lutam em roda da escola “Só Força”, de Moscou

Denis Okhótnikov e “Mestre Leão” lutam em roda da escola “Só Força”, de Moscou

Kristina Kis @Zapomnite
Com escolas de Sevastopol, na Crimeia, a Vladivostok, no Extremo Oriente, luta se dissemina no país e estimula ensino da língua portuguesa.

A partir dos anos 1970, capoeiristas brasileiros começaram a sair mundo afora para divulgar sua arte, que hoje já está difundida em, pelo menos, 150 países. A Rússia, claro, não ficou de fora, e hoje a capoeira é uma das maiores propagadoras da língua e da cultura brasileira no país.

Apesar das dificuldades encontradas pela Embaixada do Brasil em Moscou para precisar o número de escolas do esporte no país, o número de praticantes ultrapassa os 50 mil, de acordo com seu adido cultural e de imprensa, Igor Germano.

“Em 2011, segundo informação do representante da ‘Federação Russa de Capoeira’, os maiores grupos de capoeiristas no país encontravam-se, além da capital, nas cidades de São Petersburgo, Anapa, Sôtchi, Volgogrado, Omsk, Tiumen e Barnaul”, disse Germano à Gazeta Russa.

Hoje, para além das visitas e intercâmbios de capoeiristas brasileiros, que foram facilitadas com a queda do regime de vistos de turismo entre os países a partir de 2010, quem lidera a maior parte dessas escolas são os próprios russos.

Maria “Onça Branca” Cherstneva, 34, uma das fundadoras da escola “Sabotage Capoeira”, criada em 2007, em Moscou, incentiva seus alunos a se aprofundar na filosofia do esporte e aprender o português e a cultura do Brasil.

Especialista em tecnologia da informação e design gráfico, “Onça Branca” ainda pratica surfe e mergulho, mas isso não lhe impede de se dedicar com afinco ao estudo do português brasileiro.

“Ainda não falo tão bem a língua, mas o mestre já se acostumou com meu sotaque. Além disso, já consigo conjugar bem os verbos, não fico só no infinitivo”, conta.

Já o fundador da Federação Russa de Capoeira, Roman Belov “Mestre Leão”, domina a língua e se dedica integralmente ao esporte.

Em 2002, a federação empreendeu esforços para que a capoeira fosse reconhecida oficialmente pelo Ministério dos Esportes russo. Com o credenciamento concedido, hoje os capoeiristas do país podem receber título oficial de “mestre” sem sair da Rússia.

Alunos da escola “Sabotage Capoeira”, fundada pela designer Maria “Onça Branca” Foto: Foto do arquivo pessoal

“Nós, russos, parecemos muito com os brasileiros. Se tivéssemos um clima quente o ano todo, certamente seríamos irmãos. Gostamos de brincar em público e chamar a atenção através da beleza do esporte, o que nos aproxima muito dos brasileiros”, afirma “Mestre Leão”.

Estilo de vida

Até encontrar seu caminho como treinador de capoeira na federação, o moscovita Denis Okhótnikov, 29, tocava trompete e estudava engenharia.

“Não terminei a universidade porque escolhi a engenharia sem pensar, mas as artes marciais e a capoeira me ajudaram a colocar a cabeça no lugar”, diz.

Em 2013, Okhótnikov conquistou segundo lugar no Campeonato Mundial de Capoeira em Baku, no Azerbaijão.

Na Rússia, até os capoeiristas mirins mostram sua ginga. A escola “Abadá-Capoeira”, em Tcheliabinsk, tem um grupo para crianças a partir dos 3 anos.

“As mães incentivam os filhos na luta. A capoeira é o esporte ideal para as crianças gastarem a energia em excesso”, diz o treinador Serguêi Lvov “Gato”.

“Gato” já não consegue conceber a vida fora da cultura da capoeira. “Como muitos na Rússia, me interessei depois que vi o filme ‘Esporte Sangrento’ (Only the Strong, 1993). Comecei só por curiosidade, mas depois fui arrebatado pela capoeira e por tudo que se relaciona a ela”, diz.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.