Fatia brasileira no mercado russo cai, apesar de potencial

A queda na substituição de produtos importados teve velocidade proporcional à da queda total de importações russas.

A queda na substituição de produtos importados teve velocidade proporcional à da queda total de importações russas.

Aleksandr Kriajev/RIA Nóvosti
Aumento esperado com troca de fornecedores após sanções a alimentos europeus ficou concentrado no Chile, entre sul-americanos.

A Rússia ainda não conseguiu substituir completamente as importações de alimentos europeus após o embargo instituído como resposta às sanções que o continente impôs ao país devido à crise ucraniana. Os fornecimentos foram redirecionados a outros países, apesar de exportadores tradicionais, como o Brasil, terem tido suas expectativas frustradas.

Quem teve o maior aumento de exportações à Rússia dos produtos da lista de embargados foi a Bielorrússia. Durante os cinco primeiros meses de 2015, o país exportou ao vizinho 916 mil toneladas de alimentos da lista de embargos. No mesmo período do ano anterior, o volume total foi de 568 mil toneladas.

Já o Equador, que expressou intenções de aumentar as exportações de frutos do mar, frutas, legumes e flores em agosto do ano passado, também não alcançou seus objetivos.

As importações russas provenientes do país caíram consideravelmente, de 577 mil para 532 mil toneladas. Como resultado, o Equador ficou em terceiro lugar na lista de fornecedores de produtos sancionados - apesar de tê-la encabeçado em 2014.

De acordo com o diretor-geral da consultoria Centro Internacional de Comércio de Moscou, Vladímir Salamatov, a queda na substituição de produtos importados teve velocidade proporcional à da queda total de importações russas.

“A crise financeira levou à redução do consumo interno, que afetou principalmente os produtos importados, cujos preços estão subindo devido à desvalorização do rublo”, explica Salamatov.

Queda brasileira

O Brasil, que foi caracterizado por economistas como potencial beneficiário do embargo russo, também não teve suas expectativas correspondidas.

Apesar do acordo de fornecimento de produtos lácteos, assinado no ano passado, e das esperanças de dobrar os fornecimentos de frango, o volume das exportações brasileiras à Rússia caiu: de janeiro a maio de 2015, 164 mil toneladas de alimentos brasileiros chegaram ao país, contra as 167,7 mil toneladas no mesmo período do ano anterior.

A China também apresentou queda, de 418 mil para 390 mil toneladas, apesar de suas intenções de aumento nas exportações de frutas e legumes.

Movimento similar foi verificado na Argentina, especialmente no fornecimento de carnes. Em 2015, o volume de importações argentinas à Rússia caiu mais de 30% em relação ao ano anterior, de 111 mil para 76 mil toneladas.

Publicado originalmente por RBC

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.