“E-Jet é excelente complemento para o SSJ 100, da Sukhôi”

Slatter: “Gostaria que todos os membros da família E-Jet recebessem certificação na Rússia”

Slatter: “Gostaria que todos os membros da família E-Jet recebessem certificação na Rússia”

Arquivo pessoal
Diretor de vendas da Embraer traça perspectivas da empresa no mercado russo.

Os maiores aviões de passageiros da Embraer pertencem à família E-Jet. Na Rússia, porém, a empresa brasileira só está representada pelo E195, que integra a frota das Linhas Aéreas de Saratov. Em entrevista ao “Show Observer”, o diretor de vendas da Embraer, John Slattery, falou sobre o surgimento de novos modelos no mercado russo, incluindo a nova linha E-Jet E2.

Como você analisa o atual estado dos mercados da Rússia e da Comunidade dos Estados Independentes (ex-repúblicas soviéticas)? Quais foram as mudanças nos últimos anos?

Do ponto de vista da Embraer, eu caracterizaria esses mercados como muito dinâmicos. A Rússia e a CEI são certamente uma região importante para nós, já que pretendemos expandir a presença de nossa marca em todo o mundo. A Embraer tem uma equipe especializada em Moscou que fica, acima de tudo, responsável pelas vendas e marketing na região.

Desde que obtivemos a certificação do E-Jet no AR MAK [sigla russa para “Registro Aeronáutico do Comitê Interestatal de Aviação”] dois anos e meio atrás, a Embraer conseguiu expandir o número de operadoras na CEI, especialmente na Rússia. Já temos operadoras tanto da E-Jet, como do seu irmão menor, a aeronave para rotas regionais ERJ 145.

Devo admitir que, nos últimos 12 meses, o ritmo de penetração no mercado russo diminuiu um pouco. O motivo foi o enfraquecimento do rublo em relação ao dólar. Isso nos afeta tendo em conta que as vendas ou acordos de leasing dos E-Jets são normalmente feitos em dólares.

Vale a pena lembrar que o E-Jet é um excelente complemento para a aeronave Superjet 100, da Sukhôi, uma vez que o E175 é menor do que o SSJ-100, e o E195 é muito maior. A ideia é apresentar as aeronaves E-Jet como uma oferta complementar à produção da Sukhôi.

A Embraer recebe feedback das operadoras de seus aviões na Rússia e na CEI? Vocês recebem pedidos de modificações ou melhorias nas aeronaves?

Antes de os E-Jets serem apresentados ao mercado russo, havia dúvidas sobre as capacidades de exploração do modelo em um clima com temperaturas extremas, especialmente no inverno. Por isso, apresentamos a experiência desses aviões no Canadá.

Como mostrou a prática, as capacidades do E-Jet em áreas de clima severo atendem perfeitamente às necessidades das operadoras. Um dos fatores-chave do sucesso da Embraer é o nosso sistema de suporte técnico pós-venda. O coeficiente de prontidão técnica para decolagem da frota internacional da Embraer é de 99,3%. Somos muito cuidadosos com isso e quero que a frota dos nossos parceiros e clientes russos tenha o mesmo nível de confiabilidade.

Acordo com companhias aéreas chinesas resultou em venda de 35 aviões E190, da Embraer.

No que diz respeito à segunda parte da pergunta, não houve nenhum pedido especial para melhorias ou substituições. A aeronave vem totalmente de acordo com as características necessárias para a realização das tarefas para as quais foi concebida.

Você mencionou a certificação do E-Jet na Rússia. Receberam também o certificado para o E175?

Ainda não.

E pretendem certificar esse tipo de aeronave no país?

Gostaria que, com o tempo, todos os membros da família E-Jet recebessem certificação na Rússia. O principal fator aqui é o desejo dos clientes, mas nós definitivamente queremos certificar todas as aeronaves dessa linha no AR MAK.

As companhias aéreas russas e da CEI demonstraram interesse pelas aeronaves da família E-Jet E2?

Sim. Acredito que irão surgir clientes para o E2 entre as companhias aéreas da CEI nos próximos 12 meses. Todo o nosso programa de marketing e vendas está orientado para a promoção do E2 na região, e nossa equipe tem recebido feedback positivo.

Os clientes estão bastante impressionados com a melhoria da eficiência de combustível do novo avião. Por exemplo, no E2-E190, ela é 16% mais elevada do que no E190. Os custos de manutenção e reparação do E2 também são menores.

Quanto ao E195-E2, ele não irá, de modo algum, competir com o SSJ-100. Por ter fuselagem bem maior, é destinado a um mercado completamente diferente: trata-se de um avião de longa distância e pequena capacidade de passageiros. É um avião para companhias de baixo custo.

Publicado originalmente pelo portal ato.ru

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies