Cientistas provam a existência de porcos-espinhos primitivos nos Urais

Investigações foram realizada pelo do Instituto de Ecologia Vegetal e Animal do Departamento dos Urais da Academia de Ciências da Rússia.

Investigações científicas do Instituto de Ecologia Vegetal e Animal do Departamento dos Urais da Academia de Ciências da Rússia provaram a existência de porcos-espinhos primitivos nos Urais.

Arqueólogos encontraram um dente de um animal, que viveu no sítio da escavação há estimados 120 mil anos, a uma profundidade de 2,5 metros de uma caverna na fronteira entre as regiões de Sverdlovsk e Cheliabinsk, próximo da cidade de Asha.

Conforme informado hoje pelo chefe do laboratório do instituto, Pavel Kosintsev, esta descoberta transformou a ideia que se tinha sobre o antigo mundo animal dos montes Urais.

"Antes do achado nenhum dos cientistas havia encontrado evidências da existência de porcos-espinhos nos Urais. Acreditava-se que no mundo antigo esses animais viviam mais ao sul da cadeia de montanhas”, disse Kosintsev.

“No entanto, a nossa descoberta prova o contrário. Há mais de 100 mil anos, o clima nos Urais era muito mais quente do que os cientistas descrevem. Aqui havia florestas com folhas largas, semelhantes às que crescem na região de Kiev. Nestas florestas viviam não apenas lobos e ursos, mas também porcos-espinhos.”

О dente de porco-espinho e outros achados na caverna permitirão aos cientistas reconstruir mais precisamente o clima das montanhas dоs Urais, entender como ele mudou a cada milênio e as causas das mudanças.

 

Publicado originalmente pela agência ITAR-TASS

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.