Roteiro turístico do Anel de Ouro completa 45 anos

Foto: Lori / Legion Media

Foto: Lori / Legion Media

Designação conferida a um grupo de cidades históricas russas que constituem um dos destinos turísticos mais cobiçados por visitantes do país e de fora desde os tempos soviéticos, conceito foi inventado em 1967 pelo crítico de arte e escritor soviético Iúri Bichkov, que completa neste ano 81 anos.

Designação conferida a um grupo de cidades históricas russas que constituem um dos destinos turísticos mais cobiçados por visitantes do país e de fora desde os tempos soviéticos, o Anel de Ouro da Rússia está completando 45 anos.

O conceito foi inventado em 1967 pelo crítico de arte e escritor soviético Iúri Bichkov, que completa neste ano 81 anos.

Ele inclui oito cidades: Sergiev-Posad, Pereslavl-Zalesski, Rostov, Iaroslavl, Kostroma, Ivanovo, Suzdal e Vladímir, que podem ser visitadas de carro, de ônibus de turismo ou de trem. Nos últimos anos, as viagens de trem vêm se tornando cada vez mais populares pois a ferrovia liga quase todas "joias" do  Anel de Ouro.

Em 1967, Bichkov, então jornalista do jornal "Sovietskai Kultura" (Cultura Soviética), foi enviado à cidade de Suzdal para fazer uma reportagem sobre o desenvolvimento do turismo. Bichkov foi a Suzdal em seu carro Moskvitch (semelhante ao Lada) e na volta decidiu pegar outra estrada, passando pela cidade de Iaroslavl, para mudar seu percurso.

Pegou um mapa para traçar o trajeto e, de repente, viu que se ligasse oito cidades históricas por uma linha, obteria uma circunferência. Dito e feito. A circunferência traçada por Bichkov abrangeu o território do histórico Ducado de Vladímir. Milhares de pessoas estudavam a história do ducado, mas ninguém teve a ideia de ligar entre si oito cidades e cinco regiões.

De volta, Bichkov escreveu um ensaio sobre cada cidade por ele visitada. Oito cidades, oito ensaios. No entanto, a série de oito ensaios sob o título geral Anel de Ouro foi acolhida no jornal sem emoções. Mais tarde, a revista Smena (Sucessão) publicou uma extenso artigo de Bichkov com o mesmo nome e colocou na capa uma fotografia noturna do céu cortado por um raio, em vez de igrejas. Esse fato tem uma explicação política: "Essa trama começou na época de Khruchev. Por isso, qualquer coisa ligada à igreja era banida", diz o autor. 

Nos anos 1960, foi criada a Sociedade Nacional de Proteção de Patrimônio Histórico e Cultural, que teve Bichkov como um de seus fundadores. A sociedade se interessou por seus ensaios e enviou às cidades do Anel uma expedição científica. Bichkov não tinha consciência de ter sido autor de uma das marcas turísticas registradas do país. Vinte anos mais tarde, foi lançado um guia de viagem pelo Anel de Ouro em 10 idiomas.

No início dos anos 1970, o conceito de Anel de Ouro se radicou na linguagem e se tornou patrimônio histórico como Ducado de Vladímir ou Interregno. Seu autor foi esquecido.

As cidades não abrangidas pelo trajeto circular percorrido pelo Moskvitch de Iúri Bichkov tentaram criar seus anéis de prata e de bronze para repor a verdade histórica, mas as tentativas não deram resultado.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.