Fabricante de sistema de aviso rápido de acidentes de trânsito quer ajuda do Estado para manutenção do projeto

Foto: spacecorp.ru

Foto: spacecorp.ru

Missão do Era-Glonass é informar, o mais rapidamente possível, os serviços de emergência do país sobre o acidente, a matrícula do veículo acidentado, seu número de identificação e o nome do proprietário. Desenvolvedores do Era-Glonas garantem que implantação do sistema em carros de passeio garantirá a vida de 6.000 vítimas de acidentes de trânsito até 2020

Com o projeto de lei sobre a implantação do sistema de aviso rápido de acidentes de trânsito Era-Glonass na Rússia, encaminhado para apreciação do governo no último dia 7, os autores prometem salvar, até 2020, a vida de 6.000 vítimas de acidentes de trânsito em troca de investimentos públicos na sua infraestrutura e manutenção.

A missão do sistema Era-Glonass é informar, o mais rapidamente possível, os serviços de emergência do país sobre o acidente, a matrícula do veículo acidentado, seu número de identificação e o nome do proprietário.

Os dados serão transmitidos por uma rede de telefonia celular para uma central, para que essa envie ao local uma ambulância, a polícia e equipes de resgate.

A ideia é que, em caso de acidente, os proprietários dos veículos equipados com o sistema Era-Glonass recebam atendimento médico mais rápido.

O Glonass é um sistema russo de localização por satélite.

Para fins de cálculos, os autores do projeto estimaram que, até 2018, uma  vida humana custaria ao Estado 4 milhões de rublos (cerca de R$ 270 mil), em 2019, 5 milhões (cerca de R$ 340 mil) e, em 2020, 6 milhões (cerca de R$ 400 mil).

Os números provêm das estimativas das perdas de companhias de seguros e do Estado com a morte de uma pessoa.

Em troca das 6.000 vidas salvas e dezenas de bilhões de rublos economizados, os autores do projeto pedem que o Estado invista, até 2013, um total de 3,92 bilhões de rublos (cerca de R$ 270 milhões) na criação e manutenção da infraestrutura do Era-Glonass.

As principais despesas com a implantação do novo sistema, no entanto, correrão por conta dos usuários, que serão obrigados a pagar a compra, a instalação e a manutenção de terminais.

De acordo com o estudo de viabilidade do projeto, em 2020, o número de veículos equipados com terminais Glonass atingirá 45,9 milhões. O custo estimado de cada unidade é de 30 a 40 mil rublos (cerca de R$ 2.000 a R$ 2.700) e depende do conjunto de opções escolhidas.

Prevê-se que, a partir de 2016, os terminais do Era-Glonass virão pré-instalados em todos os carros novos fabricados na Rússia. As maiores operadoras de telefonia celular do país prometem reservar ao Era-Glonass uma rede virtual separada.

Novos gastos

Especialistas duvidam, porém, que a iniciativa seja vista com bons olhos pelos motoristas do país, porque, para eles, isso significa novos gastos com a instalação de um equipamento dispendioso e não tem relação com a obrigação do Estado de melhorar a situação em termos de segurança rodoviária.

O diretor da empresa Cultura de Informação, Ivand Begtin, duvida que a intenção do governo de equipar todos os carros particulares com os terminais do sistema tenha efeito positivo.

"Existem áreas em que a coerção é justificada. A ideia de instalar o sistema Glonass nos meios de transporte público é boa e amplia nossas possibilidades do cidadão: podemos saber, por exemplo, onde o ônibus está. Já a ideia de obrigar os proprietários de carros particulares a instalar os terminais por sua conta é nada mais que a extorsão de dinheiro pelo Estado", diz Begtin.

O diretor executivo da União de Transportadoras de Moscou, Iúri Svésnikov, também encara a iniciativa como nova tentativa de arrancar dinheiro dos motoristas.

"O projeto de lei em causa apenas obriga e não garante nada. Não há nenhuma garantia de que você seja socorrido dentro do prazo prometido. Para diminuir o número de vítimas fatais em acidentes de trânsito, é preciso desenvolver a infraestrutura de atendimento médico, aumentar o número de centrais de ambulâncias e melhorar seu assessoramento instrumental. Se nada disso for feito, o novo sistema, que, de fato, vai duplicar as funções de seu telefone celular, também não vai ajudar", disse Svésnikov.

Publicado originalmente pelo jornal Izvéstia

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.