Organizador do assassinato de Politkovskaia é condenado a 11 anos

Dmítri Pavliutchenkov Foto: TASS

Dmítri Pavliutchenkov Foto: TASS

O policial aposentado Dmítri Pavliutchenkov foi condenado a 11 anos em um presídio de segurança máxima e o pagamento de uma quantia equivalente a US$ 100 mil, nesta sexta-feira (14), por sua participação no assassinato encomendado da jornalista investigativa do “Novaia Gazeta”, Anna Politkovskaia. A repórter foi morta a tiros em 7 de outubro de 2006, dentro de seu apartamento no centro de Moscou.

O ex-tenente-coronel Pavliutchenkov, 44, admitiu sua participação no esquema para vigiar Politkovskaia, famosa pelas reportagens críticas sobre violação dos direitos humanos na Tchetchênia, e entrou em um acordo judicial para testemunhar contra outros cinco suspeitos.

Pavliutchenkov contratava pessoas para localizar Politkovskaia e seguir seus passos em Moscou por cerca de US$ 100 a 150 ao dia. Segundo os investigadores, ele “comprou a arma [com qual a Politkovskaia foi baleada], elaborou o plano e designou os papéis para a execução do crime”.

O procurador havia pedido 12 anos de prisão para Pavliutchenkov, que recebeu “nada menos que 150 mil dólares” por sua atuação no assassinato. Os filhos de Anna Politkovskaia solicitaram o equivalente a US$ 330 mil de Pavliutchenkov para compensar os danos morais. O juiz determinou, contudo, que a quantia fosse reduzida para US$ 100 mil.

“A justiça não foi completa, mas pelo menos foi feita”, disse o filho de Anna Politkovskaia, Iliá Politkovski, ao “Novaia Gazeta”, logo após o anúncio da pena. Ambas as partes declararam que vão recorrer da sentença.

Karen Nersesian, advogada de Pavliutchenkov, também disse ao jornal russo que, ao solicitar uma pena tão longa, o procurador violou os termos do acordo de confissão.

Pavliutchenkov, que havia sido detido e posteriormente transferido para prisão domiciliar por problemas de saúde em agosto de 2011, tem nove anos e oito meses de sentença pela frente, devido ao tempo de serviço na polícia. Em seu depoimento final, Pavliutchenkov teria pedido desculpas para a família de Anna Politkovskaia, segundo informações do site Gazeta.ru.

“Estamos satisfeitos com o fato de pelo menos um cúmplice ter sido levado à justiça”, declarou a advogada da família Politkovskaia, Anna Stavitskaia. “Mas Pavliutchenkov deveria ter recebido uma pena maior.”

Os outros cinco suspeitos, incluindo o suposto atirador, Rustam Makhmudov, estão sob custódia e serão julgados separadamente, informou a agência RIA Nóvosti. As investigações ainda não chegaram a uma conclusão sobre a identidade da pessoa que encomendou o crime.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.