Achado de mergulhador de Samara pode revelar segredos da história antiga

Foto: Vesti

Foto: Vesti

Dmitri Golubev descobriu no fundo do rio Bolshoi Kinel restos de ossos humanos e de animais com, possivelmente, centenas de milhares de anos.

Um achado incomum na região de Samara pode incluir mais um capítulo na história antiga da humanidade. O mergulhador amador Dmitri Golubev descobriu no fundo do rio Bolshoi Kinel restos de ossos humanos e de animais com, possivelmente, centenas de milhares de anos.

Isto pode ser uma prova de que nos arredores de Samara, no centro da Rússia, havia uma grande povoação de homens primitivos.

O rio Bolshoi Kinel, onde há muitos peixes, é o lugar preferido de caça subaquática entre os mergulhadores de Samara. Desta vez, entretanto, a pesca foi muito incomum. No fundo do rio, Golubev encontrou um crânio de bisão, que, como se verificou, viveu na pré-história.

"Durante a caça subaquática, passei a corredeira e nos pequenos pedregulhos vi a cabeça de um bisão", conta Golubev.

O mergulhador também descobriu a queixada de um rinoceronte lanífero, o quadril de um mamute e o crânio de um veado de chifre grande. Tudo isso em breve será entregue a paleontólogos.

“Não se exclui a possibilidade de que a idade desses achados pode ultrapassar centenas de milhares de anos”, assinala Dmitri Varenov, colaborador científico chefe do museu de história regional.

"Todo esse conjunto de animais pertence à chamada fauna de mamutes. Isto é, estes animais viveram nessas regiões há dezenas e até mesmo centenas de milhares de anos. O crânio do rinoceronte tem uma preservação ímpar. Nossa região não registrou tais achados antes.

Além dos ossos de animais, o mergulhador também retirou do fundo do rio o crânio de um homem.

Segundo especialistas, é muito raro encontrar em um mesmo lugar restos de animais e de homens primitivos.

"Se os ossos humanos encontrados no território de nosso país tiverem um milhão e meio ou dois milhões de anos, esta será uma descoberta séria", diz o historiador Igor Kurukin.

Agora, o pequeno rio na Rússia central atrai não apenas os amantes da caça subaquática, mas também arqueólogos, geólogos e paleontólogos profissionais. Em breve começarão escavações de envergadura. Possivelmente, os arredores do rio Bolshoi Kinel ainda conservam muitos segredos.

Publicado originalmente no sita de rádio Voz da Rússia

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.