Passe turístico pretende atrair mais visitantes a Moscou

Foto: TASS

Foto: TASS

Moscou tornou-se mais amigável para os turistas estrangeiros ao se juntar a outras capitais mundiais, como Londres e Paris, que já ofereciam bilhete de passeios turísticos com direito a entrada para os museus mais famosos. Somando os valores dos descontos, a economia poderá chegar até 50% no futuro.

O Moscow Pass faz parte de um projeto da empresa privada de comunicações Kremlin Multimedia para melhorar a imagem da capital e torná-la mais conveniente para viver e visitar por meio do desenvolvimento de uma marca chamada WowMoscow.

Os turistas, sobretudo aqueles que viajam sozinhos, esperam encontrar a mesma quantidade de opções de entretenimento de qualquer capital do mundo. A ideia é que o Moscow Pass ofereça uma variedade de serviços já disponibilizados nos destinos turísticos mais populares.

“Os visitantes estrangeiros estão acostumados com esses passes, um produto bem conhecido em cidades como Nova York, Londres e Paris”, diz Ksênia Zemskova, diretora da WowMoscow.

O preço do passe para três dias é 2.400 rublos (US$ 76) e inclui entrada para diversas atrações turísticas da capital, como a Catedral de São Basílio, o Museu da Guerra Patriótica de 1812, o Museu da Tortura e a Casa da Fotografia. No pacote estão incluídos sete lugares dedicados a assuntos variados.

Embora a lista de atrações oferecidas no momento não inclua muitos dos lugares considerados “obrigatórios” pela maioria dos estrangeiros que visitam a cidade, há planos de expandir sua cobertura.

“Queríamos que o bilhete desse aos turistas a oportunidade de conhecer não apenas os pontos turísticos mais batidos, como também museus modernos. Assim, os turistas saberão que Moscou é muito mais do que a Praça Vermelha”, diz Zemskova.

A diretora do projeto acrescentou que as negociações com outros institutos ainda estão em andamento, incluindo o Museu Púchkin de Belas Artes e a Galeria Tretiakov, e a meta é que passe dê acesso a cerca de 20 museus.

O passe, que também dá possibilidade de participar de uma caminhada turística pela cidade, um passeio no ônibus turístico de dois andares e um cruzeiro pelo rio Moscou, oferece ainda descontos para uma série de passeios turísticos, como uma excursão pelo metrô e pelo Kremlin, de acordo com o site do projeto.

A porta-voz do Sindicato de Turismo da Rússia, Irina Tiurina, elogiou a iniciativa de introduzir o Moscow Pass, uma vez que facilitará a vida dos turistas em visita à capital. O projeto também desenvolve a imagem de Moscou como um popular destino turístico, pois os turistas deverão compartilhar sua experiência de utilização do passe com amigos e parentes.

Os turistas poderão comprar o Moscow Pass pela internet (www.moscowpass.com), pagando com cartão de crédito ou débito, e informando o endereço em Moscou aonde o cartão deverá ser entregue. O turista também poderá obter o cartão no Centro de Informações Turísticas localizado na Praça Vermelha.

O cartões também estarão disponíveis para venda nos museus participantes do projeto ou por meio do serviço de concierge em hotéis como Lotte Hotel Moscow, InterContinental, Marriott Aurora, Radisson Royal e Baltschug Kempinski.

Economia real

Os passes turísticos de vários tipos estão disponíveis na maioria das capitais mundiais e oferecem descontos significativos em comparação com o que um visitante pagaria comprando os passeios separadamente.

Os turistas que visitam Londres, por exemplo, podem adquirir um passe de adulto para um dia que dá acesso a mais de 60 pontos turísticos da cidade por 46 libras esterlinas, de acordo com o site London Pass. O cartão para três dias custa 66,6 libras.

Já um passe de três dias para passear por Berlim para adultos custa € 73,8 e oferece entrada para mais de 50 museus e atrações, de acordo com o site do respectivo projeto.

“O preço do Moscow Pass é acessível para estrangeiros e é inferior ao custo total dos bilhetes de entrada para os museus e passeios incluídos”, informa Danil Golovatchiov, gerente de clientes na Capital Tours, que organiza visitas guiadas por Moscou para estrangeiros.

Segundo Zemskova, o Moscow Pass vai permitir uma economia total de até 30%, além de proporcionar outros benefícios, como descontos em alguns restaurantes de Moscou. O Uzbequistão e a rede de cafés Prime Star são apenas alguns deles.

À medida que o número de estabelecimentos e serviços forem crescendo, a vantagem do desconto em comparação a aquisição individual de bilhetes poderá chegar a 50%.

Apenas o começo

O passe vem junto com um folheto informativo e um mapa da cidade em inglês e russo, com mais línguas a serem adicionadas no futuro.

Os planos de desenvolvimento do projeto sugerem também a inclusão de transporte público no pacote em um futuro próximo – uma opção disponível com os passes de outras cidades. Zemskova relembra que a iniciativa já está, inclusive, sendo discutida com o metrô de Moscou e a Aeroexpress.

Outra ideia é fazer parcerias com bancos para que o passe possa ser usado como um cartão de débito, enquanto operadoras locais de celular também poderão ser usadas para fornecer serviços aos titulares do cartão.

“Nosso objetivo é oferecer um pacote de serviços para que os turistas tenham todas as facilidades durante sua estada”, disse.

Moscou progrediu significativamente no desenvolvimento de infraestrutura turística ao longo dos últimos anos. No início deste ano, tornou-se a mais recente capital europeia a introduzir os ônibus de dois andares para passeios turísticos.

O número de turistas estrangeiros que visitaram Moscou entre janeiro e setembro deste ano saltou mais de 17% em comparação ao mesmo período no ano passado, de acordo com informações do Comitê de Hotéis e Turismo da Câmara Municipal. Esse número deverá ultrapassar a marca dos 5 milhões de pessoas neste ano, segundo previsões feitas pelo chefe d referido comitê, Serguêi Chpilko, no mês passado.

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.