Cientistas russos desenvolvem molécula que ajuda no tratamento do câncer

Cientistas russos desenvolveram uma molécula especial capaz de levar uma medicação para o núcleo de uma célula, incluindo aquela afetada por um processo canceroso. Este "entregador" torna o tratamento pelo menos mil vezes mais efetivo do que a terapia convencional.

Cientistas russos desenvolveram uma molécula especial capaz de levar uma medicação para o núcleo de uma célula, incluindo aquela afetada por um processo canceroso.  Este "entregador" torna o tratamento pelo menos mil vezes mais efetivo do que a terapia convencional.

É o que consta em um relatório do diretor do Instituto de Biologia do Gene, o acadêmico Georgy Georgiev, e do chefe do laboratório de Genética Molecular de Transporte Intracelular do mesmo instituto, Alexandr Sobolev. O comunicado foi apresentado à presidência da Academia de Ciências da Rússia.

"É necessário utilizar os chamados marcadores moleculares superficiais para assegurar a especificidade celular da medicação. Ao mesmo tempo, para atingir a sua máxima eficácia, deve-se levá-la para uma parte específica da célula", disse Sobolev.

Para os agentes antineoplásicos, que inibem o crescimento ou a disseminação de tumores, tal entrega normalmente deve ser realizada diretamente no núcleo, apontou o cientista. Para isso, é imprescindível criar alguma forma de transporte do medicamento para o local desejado.

"Nós desenvolvemos os nanotransportadores modulares, que nos permitem conseguir isto", disse Sobolev.

Para isto, foram retirados  diferentes módulos de diversas moléculas naturais e adicionados à uma forma hibrida. Falando em linguagem científica, à uma proteína artificial  de  cerca de 10 nm. Isto é o nanotransportador modular, onde todos os módulos mantêm as suas funções em sua composição.

Após  a administração, o nanotransportdor modular acumula-se principalmente nas células tumorais, e dentro delas, especialmente nos núcleos. Além disso, estes transportadores são pouco tóxicos e praticamente não imunogênicos.

Graças a isso, os medicamentos para a terapia fotodinâmica do câncer, os chamados fotossensibilizadores, levados pelo nanotransportador para o interior das células cancerosas, tornam-se de 1.000 a 3.000 vezes mais eficazes comparados com os fotossensibilizadores livres.

Assim, por  exemplo, a terapia com a utilização de nanotransportadores modulares em ratos inoculados com câncer de pele humano leva a um retardamento considerável no crescimento do tumor e assegura uma taxa de sobrevivência de 75% dos ratos com tumores , enquanto que o fotossintetizador comum livre traz um resultado de somente 20%. 

Resultados semelhantes foram também obtidos por outros agentes anticancerígenos.

"A alta eficiência da terapia com a utilização  de diversos  nanotransportadores modulares permite levantar uma questão sobre a aplicabilidade de tais tipos de sistema para o tratamento de câncer em uma clínica", ressaltaram os cientistas.

Atualmente, os testes pré-clínicos de nanotransportadores modulares estão em processo de conclusão.

Publicado originalmente pela agência ITAR-TASS

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.