Sociedade Geográfica Russa intensifica contatos internacionais

Foto: geogr.msu.ru

Foto: geogr.msu.ru

Em entrevista à gazeta.ru, o primeiro vice-presidente da instituição e decano da Faculdade de Geografia da Universidade Lomonosov de Moscou (MGU, na sigla em russo), o acadêmico Nikolai Kasimov, também falou sobre o projeto de plataforma tecnológica Tecnologias de Desenvolvimento Ecologicamente Sustentável.

Em entrevista à gazeta.ru, o primeiro vice-presidente da SGR (Sociedade Geográfica Russa) e decano da Faculdade de Geografia da Universidade Lomonosov de Moscou (MGU, na sigla em russo), o acadêmico Nikolai Kasimov, falou sobre as atividades desenvolvidas com bolsas de investigação e sobre a intensificação dos contatos internacionais da instituição.

Gazeta.ru:O senhor pode citar exemplos de projetos na área de mapeamento ambiental concretizados com as bolsas de investigação da SGR?

Nikolai Kasimov: Apoiamos financeiramente, pelo segundo ano consecutivo, o projeto de um novo Atlas ambiental da Rússia, que incluirá várias centenas de mapas criados pela Faculdade de Geografia da MGU, pelo Instituto de Geografia da ACR (Academia de Ciências da Rússia) e por várias outras organizações.

Está prestes a ser concluído o projeto de Atlas e Globo de descobertas geográficas e estudos da Terra feitos por russos desde a Idade Média. O projeto está a cargo do Instituto de Geografia da ACR. O Centro de Produção de Mapas da Universidade de Geodesia e Cartografia, em Moscou, publicou a Enciclopédia Cartográfica da Rússia. A obra já teve forte aceitação pelos interessados. Também estão em andamento projetos de atlas regionais.

G.R.:O projeto de plataforma tecnológica Tecnologias de Desenvolvimento Ecologicamente Sustentável está sendo bem sucedido. O que é a plataforma tecnológica? Quais são suas perspectivas?

N.K: A plataforma Tecnologias de Desenvolvimento Ecologicamente Sustentável é uma de 30 plataformas tecnológicas desenvolvidas atualmente na Rússia. Nela, é dispensada atenção especial a quatro grupos de tecnologias: de produção ecologicamente inócua; de técnicas ecologicamente corretas de gestão de resíduos e eliminação dos danos ambientais e suas consequências; de sistemas de monitoramento, avaliação e previsão da situação ambiental, desastres de origem natural e tecnológica e efeitos negativos da mudanças do clima e de tecnologias de uso racional de recursos naturais e de manutenção da segurança ambiental e de novas normas ambientais de vida humana.

A União Europeia, por exemplo, possui 35 plataformas tecnológicas. Mas não tem nenhuma que lide com a problemática da situação ambiental. Isso porque todos os ramos da ciência e da indústria da União Europeia prestam atenção ao aspecto "verde" de suas atividades.

Por outro lado, era importante a Rússia ter seu próprio campo de ação voltado para a solução de seus problemas ambientais. O principal efeito inovador da plataforma Tecnologias de Desenvolvimento Ecologicamente Sustentável consiste precisamente na regulação e no desenvolvimento da cooperação nessas questões. De fato, hoje, muitos projetos surgem na junção de diferentes tipos de atividade e disciplinas. Por isso, a cooperação eficaz entre as entidades interessadas tem importância fundamental.

G.R.:Quase toda a Europa faz a coleta seletiva de lixo. Essa experiência pode ser aplicada na Rússia?

N.K: Essa é uma técnica avançada. É importante aplicá-la na Rússia. Mas para tanto, deve haver vontade do povo e apoio do poder público. Moscou já teve uma experiência de coleta seletiva de lixo. Verificou-se, porém, que a coleta seletiva gera a necessidade de resolver outras questões tecnológicas decorrentes da reciclagem de resíduos. Essas questões são da competência das respectivas organizações, que também fazem parte dessa plataforma tecnológica. O objetivo da plataforma é encontrar formas eficazes de interação entre a ciência e a indústria e criar condições para o desenvolvimento e a implantação de novas tecnologias.

G.R.:Assim a SGR intensifica também seus contatos internacionais?

N.K: Sem dúvida. Nossos contatos internacionais vêm se tornando cada vez mais intensos. Nossos colegas estrangeiros estão começando a perceber que as potencialidades da SGR aumentaram. Como resultado, começamos a receber propostas de expedições mistas. A maioria delas está, naturalmente, voltada para a região norte da Rússia. Todo o mundo quer visitar o Polo Norte, a Terra de Francisco José etc.

A Sociedade de Geografia Americana e a National Geographic também querem intensificar suas relações com a SGR, estabelecendo contatos e participando de nossas conferências. Além disso, temos a possibilidade financeira de ampliar nossa presença internacional e enviar nossos especialistas, sobretudo jovens, a congressos internacionais.

Com o apoio financeiro da SGR, por exemplo, a delegação russa, com 35 integrantes, foi a segunda mais representativa após a alemã no recente Congresso Internacional de Geografia, em Colônia (Alemanha). É óbvio que nos últimos três anos o interesse da mídia pelas questões da  geografia e ecologia têm aumentado: cada vez mais filmes sobre a natureza passam na TV nacional. Isso é muito importante.

Para a versão na íntegra do artigo em russo, acesse: http://www.gazeta.ru/science/2012/12/01_a_4874581.shtml

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.