"Queremos construir um Brasil de classe média", diz Dilma Rousseff

Dilma Roussef Foto: AP

Dilma Roussef Foto: AP

“Governo brasileiro pretende melhorar o nível de vida da população. As autoridades russas estão resolvendo com sucesso tarefas semelhantes”, disse Dilma, que citou, em particular, algumas das medidas que serão tomadas pelo seu governo.

Às vésperas de sua viagem a Moscou, entre 12 e 14 deste mês, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, concedeu entrevista exclusiva ao primeiro vice-diretor da Agência de Informação ITAR-TASS, Mikhail Gusman.

Na conversa, Dilma assinalou esperar muito da visita à Rússia, país com o qual o Brasil tem “relações de parceria”.

“O governo brasileiro pretende melhorar o nível de vida da população. As autoridades russas estão resolvendo com sucesso tarefas semelhantes”, disse Dilma, que citou, em particular, algumas das medidas que serão tomadas pelo seu governo.

"Eu tenho afirmado que o Brasil que nós todos queremos construir é um país de classe média. Para isso, nós colocamos como uma das nossas prioridades, desde o início do governo, a retirada de 16 milhões de brasileiros da pobreza. O  que estamos hoje anunciando é um passo decisivo para a sociedade de classe média que desejamos. Uma sociedade em que todos tenham as mesmas oportunidades, não importando a origem, o lugar de nascimento, o gênero, a cor da pele, a religião ou o sobrenome. É essa a sociedade que queremos.”

Segundo a presidente, “esse caminho para a sociedade de classe média deve passar por muitos momentos”.

“O mais difícil é que todos esses momentos tendem a ser necessários e simultâneos. Devem passar pelo crescimento do Brasil, pela criação de empregos, pela educação de qualidade –tanto a alfabetização na idade certa como o ensino em tempo integral–,  pela produção de ciência nos nossos institutos e universidades, pela criação de tecnologias e pela inovação, por uma indústria forte e por uma agricultura cada vez mais líder l de produtividade."

A fim de acabar com a miséria no país, o governo brasileiro presta atenção especial à educação de jovens das famílias pobres. Segundo Dilma, trata-se do único caminho.

"Não há política melhor do que a educação para assegurar mais oportunidade para as nossas crianças e jovens. Por isso, os três fatores que eu aqui levantei e que eu quero repetir –creches, alfabetização na idade certa e escola em tempo integral– são cruciais para que nós consigamos estabilizar, e mais do que isso, dar sustentação às novas conquistas."

Para resolver com sucesso esta tarefa, o governo do Brasil está encaminhando milhares de jovens para estudar no exterior, incluindo a Rússia. Conforme Dilma  declarou à agência ITAR-TASS, o Brasil procura ampliar consideravelmente o intercâmbio de estudantes entre os dois países.

“Queremos que cada vez mais jovens brasileiros façam cursos em universidades russas e que mais estudantes da Rússia venham ao Brasil”, disse Dilma.

“Tanto mais que há propostas de aumentar a nossa interação na área científica e tecnológica, em particular, técnico-militar e espacial.”

Durante sua visita a Moscou, a presidente será acompanhada por um grande grupo de especialistas nas áreas referidas.

Dilma destacou ainda o interesse do Brasil na experiência russa relacionada com a preparação de atletas de nível mundial.

“Pretendemos vencer a Copa do Mundo de 2014, mas, no que diz respeito às Olimpíadas de 2016, no Rio, nossos planos de medalhas são mais modestos”, reconheceu a líder do Brasil.

Publicado originalmente no site da rádio Voz da Rússia

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.