Oficial da reserva russo recebe prêmio por ter evitado guerra nuclear

Stanislav Petrov Foto: Dvulgação

Stanislav Petrov Foto: Dvulgação

Na noite de 26 de setembro de 1983, o sinal de alarme soou no posto de comando nuclear Serpukhov-15 e na tela do radar surgiram cinco mísseis americanos com dez ogivas nucleares cada um, voando em direção da União Soviética; responsável pelo sistema de prevenção de ataques balísticos contra a URSS, Stanislav Petrov não respondeu a agressão americana, que se provou falsa.

O russo Stanislav Petrov recebeu o prêmio internacional Dresden, conferido anualmente a personalidades cujo trabalho permitiu evitar um conflito militar ou cessar a violência. Ex-oficial soviético, Petrov evitou a eclosão de um guerra nuclear em 1983.

A cerimônia solene de entrega do prêmio, no valor de € 25 mil, ocorrerá em 17 de fevereiro de 2013. Antes, o ex-presidente da URSS, Milkhail Gorbatchov, já havia sido laureado por sua contribuição ao processo de desarmamento nuclear.

Nos anos 1980, Petrov era responsável pelo sistema de prevenção de ataques balísticos contra a URSS. Na noite de 26 de setembro de 1983, quando estava de plantão no posto de comando nuclear Serpukhov-15, a 100 quilômetros de Moscou, o sinal de alarme soou e na tela do radar surgiram cinco mísseis americanos com dez ogivas nucleares cada um, voando em direção da União Soviética.

Não havia tempo para refletir. Segundo as instruções, o oficial devia informar com urgência os dirigentes do país sobre o ataque, que poderiam aprovar um ataque de resposta.

Entretanto, cinco mísseis lançados de um ponto é muito pouco para começar a guerra nuclear e Petrov seguiu o bom senso. O oficial decidiu ouvir a sua intuição: tendo consciência de toda a responsabilidade que assumiu, ele não reagiu ao sinal de alarme.

“Tinha de resolver uma questão: o alarme era verdadeiro ou falso? Foi difícil. Até agora sinto as pernas bambas às vezes. Foi horrível. Mas era o meu trabalho”, relembra Petrov.

E ele estava certo. Como se verificou posteriormente, o sistema de alarme estava com defeito. A causa foi a queima de detectores do satélite pela luz do sol, refletida a partir das nuvens. Posteriormente foram feitas mudanças no sistema, que permitiram evitar tais situações. A informação sobre o que ocorrera tornou-se secreta. O público só veio a saber das ações de Petrov, que impedira um conflito nuclear real entre a URSS e os EUA, em 1998.

Em 2006, na sede da ONU em Nova York, o tenente-coronel soviético da reserva recebeu um prêmio especial da organização social internacional Associação de Cidadãos do Mundo –uma estatueta de cristal com uma mão segurando o globo terrestre com a inscrição “Ao homem que preveniu uma guerra nuclear”.

Hoje, Petrov é um cidadão modesto e de pouca fala. Não gosta de se lembrar do acontecimento e não vê nada de grandioso em seu ato.

“Fico até sem jeito de falar disso. As pessoas tentam agora me engrandecer, dizem ‘ele é um herói’. Mas eu não fiz nada de heroico, simplesmente fiz o meu trabalho. É tudo”, diz.

Publicado originalmente no site da rádio Voz da Rússia

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.