“Benefícios da adesão à OMC serão sentidos em longo prazo”, diz Pútin

Foto: президент.рф

Foto: президент.рф

Presidente russo acredita que tendências do mercado internacional desaceleram o ritmo de adaptação ao órgão internacional.

“Atualmente, os mercados globais estão caracterizados pela fraca demanda e baixo nível de investimento, por isso o risco de que levará um tempo para ver os resultados positivos da nossa participação na OMC”,  ressaltou o presidente russo Vladímir Pútin nesta quarta-feira (21) em reunião do Conselho de Segurança Nacional.

As tendências mundiais, segundo Pútin, acentuam os riscos decorrentes das obrigações que a Rússia assumiu ao ingressar na OMC, sobretudo no que diz respeito à redução de tarifas de importação de determinados artigos.

O governo fez o possível para que as empresas nacionais se adaptassem às novas condições, mas poderão surgir problemas em alguns setores, como criação de gado, máquinas agrícolas, indústria de alimentos, ligeira e automotiva.

O presidente aproveitou para pedir “uma nova diplomacia no terreno econômico”. “As representações comerciais da Rússia têm que monitorar a situação nos mercados estrangeiros e alertar sobre ações hostis em relação a nossas empresas”, disse ele.

Em agosto passado, a Rússia se tornou o 156o membro da OMS depois de 18 anos de negociação. Pútin relembrou ainda que o país tem a intenção de ingressar, num futuro próximo, na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Publicado originalmente pela agência RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.