Cossacos ganham força política e militar

Foto: kazakirossii.ru

Foto: kazakirossii.ru

A Rússia tem uma nova força política. Sete milhões de cossacos se oferecem para rondar cidades, prestar o serviço militar e criar seu próprio partido. O Kommersant Vlast tentou compreender quem são os cossacos e por que o Estado precisa deles.

"Pegamos a faca, viramos o lado afiado da lâmina para fora, impulsionamos o corpo para a frente com a perna esquerda e atingimos o inimigo no rosto, pescoço e braço. Está bom!"

Em uma noite de novembro, um grupo de jovens treina o combate com faca à cossaca em uma sala em Sokolniki (bairro de Moscou). Faz -5ºC na rua. Como a sala não tem aparelhos de ar condicionado, as janelas estão abertas para ventilar o ambiente. Nas paredes, se veem duas reproduções de ícones. Um par de pilares está revestido de feltro e é usado como saco de pancada para treinar golpes. O grupo conta com 12 pessoas: oito rapazes e três jovens moças. Uma delas chegou com sua mãe. Esta está de macacão camuflado e lenço caqui amarrado no queixo.

O treinador, Dmítri Nenarokov, sacerdote do Patriarcado de Moscou, explica: "Normalmente, usamos facas de madeira porque as de ferro, mesmo não afiadas, cortam facilmente o macacão e podem provocar lesões, inclusive na garganta, se alguém errar o movimento."

O próprio Nenarokov é oficial da divisão distrital da sociedade cossaca Vostok de Moscou e professor de lutas marciais da Academia de Polícia de Fronteira do Serviço Federal da Segurança (FSB, na sigla em russo). Ao mesmo tempo, realiza ofícios religiosos em uma pequena igreja da academia.

"Os cassacos têm uma mentalidade militar e desejam participar de atos práticos. Você não pode lhes dizer: fiquem quietos, esperem.  Eles estão há 20 anos à espera", diz Nenarokov.

"O Estado encara os cossacos como potenciais tropas regulares que podem ser convocadas na hora em que for preciso", acrescenta.

Sete milhões de habitantes do país se consideram cossacos. A Rússia tem 11 comunidades cossacas paramilitares (no total, 400 mil efetivos), chamadas de Exércitos e inscritas no Cadastro Nacional de Exércitos Cossacos. Até o final deste ano, todas as comunidades cossacas do país irão se unir em um único Exército Cossaco Nacional sob o comando do presidente Vladímir Pútin, que foi admitido na comunidade cossaca em 2005 com a patente de coronel cossaco (na época pré-revolucionária, essa patente era atribuida aos imperadores). O processo de união foi lançado em maio de 2011 por Dmítri Medvedev, então presidente do país.

O presidente do conselho para as comunidades cossacas junto à Presidência da República e representante da Presidência da República na Região Administrativa Central, Aleksandr Beglov, esclareceu, em entrevista ao Kommersant Vlast, que uma pessoa que afirma ser cossaca tem três opções: se dedicar às atividades sociais e culturais para resgatar as tradições cossacas, se inscrever no cadastro nacional para prestar serviços ao Estado ou permanecer como cossaco comum. Para se inscrever no cadastro de exércitos, o candidato deve observar o regulamento de disciplina cossaca, ter nacionalidade russa e ser maior de 18 anos, partilhar a ideologia cossaca, ter bons antecedentes e não ser viciado em bebidas alcoólicas.

A decisão sobre a admissão dos candidatos é tomada por uma assembleia cossaca por maioria simples e aprovada pelo líder da comunidade cossaca local. Na cerimônia de iniciação, o recém-admitido presta juramento, beija a cruz e o Evangelho. Em seguida, recebe a benção do sacerdote local e uma сhicotada do líder cossaco local como "palavra de encorajamento". O cassaco não pode ser ateu e a assembleia cossaca não pode ser realizada sem a presença e a bênção de um padre.

Partido

Os interesses civis dos cossacos serão representados pelo primeiro partido cossaco no país, cuja Assembleia Constituinte se reunirá nos subúrbios de Moscou no final de novembro.

"Os cossacos podem praticar 15 tipos de atividades", adianta Nenarokov. "Por exemplo, entre as missões de nossa sociedade está a de preparar jovens em idade militar para a prestação do serviço obrigatório e de fazer rondas e manter a ordem pública na cidade. Temos 300 efetivos treinados em saltos de paraquedas, 100 em operações de reconhecimento e outros tantos em operações de infantaria", completa.

O Estado apoia financeiramente os cossacos através de bolsas e subsídios especiais. Em  2012, por exemplo, o governo disponibilizou um subsídio de um bilhão de rublos (cerca de US$ 32 milhões), dos quais sete milhões de rublos (cerca de US$ 220 mil) serão entregues aos cossacos de São Petersburgo para a organização de uma colônia de férias juvenil e três milhões (cerca de US$ 95 mil) serão investidos na publicação do livro "A base legal dos cossacos".

Autoridades regionais também ajudam os cossacos cadastrados. Em agosto passado, por exemplo, o governador da região de Krasnodar, Aleksandr Tkachev, convocou os cossacos a rondar as ruas das cidades de sua região e disse, em entrevista ao Kommersant Vlastm, que iria lhes pagar um salário igual ao dos policiais locais.

Em Moscou, uma iniciativa semelhante à decisão polêmica de Tkachev está em vigor há mais de um ano. Desde outubro de 2011, as ruas da subprefeitura sudeste de Moscou são patrulhadas por 80 cossacos sob o comando do comandante Sergei Chichkin. A ideia foi do subprefeito da subprefeitura sudeste, Vladímir  Zotov, também cossaco, com a patente de coronel e conselheiro do comandante do Exército Cossaco Central.

No entanto, segundo Zotov, os cossacos convocados para o patrulhamento não recebem nenhuma compensação monetária além de vales-transporte e um uniforme. Quando saem para efetuar o patrulhamento, levam consigo chicotes, deixando os sabres em casa. "Os cossacos são  convocados para ajudar a manter a ordem em eventos públicos e coibir as práticas de comércio ilegai em locais não apropriados", diz o subprefeito.

"A julgar pela maneira como as pessoas reagem aos cossacos de ronda, o povo tem mais confiança neles", completa o responsável.

A mesma opinião foi expressa pelo governador Tkachev:

"Em nossa região, eles vão ficar de olho nos imigrantes. Os cossacos são representantes do povo, não adianta lutar contra o povo. Um policial está limitado em suas ações pela lei, não pode fazer isso nem aquilo. No caso dos cossacos, tudo é mais simples: quem ofende um cossaco, ofende o povo inteiro“.

Para a versão na íntegra do artigo em russo, acesse:  http://kommersant.ru/doc/2067798

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.