“Leis não são suficientes para manter estabilidade”, diz Pútin

Reunião do Conselho de Direitos Humanos da presidência nesta segunda-feira (12).Foto: президент.рф

Reunião do Conselho de Direitos Humanos da presidência nesta segunda-feira (12).Foto: президент.рф

Presidente russo Vladímir Pútin não acredita que a operação das agências de aplicação da lei seja o bastante para a Rússia. Segundo ele, o país precisa estabelecer um diálogo entre a sociedade e as autoridades.

“Todos os projetos realizados pelo governo na Rússia tem a intenção de tornar o país mais eficaz e estável”, disse Pútin em uma reunião do Conselho de Direitos Humanos da presidência nesta segunda-feira (12). “Mas o país não irá se tornar mais estável se continuarmos dependendo unicamente do poder dos órgãos repressores e de aplicação da lei.”

“Essa estabilidade deve resultar também de uma sociedade autodisciplinada, eficiente, responsável. É preciso criar uma conexão entre os cidadãos e o Estado”, continuou o presidente russo.

Comentando sobre a recém-aprovada lei referente às ONGs, Pútin afirmou que a lei foi criada para evitar que organizações estrangeiras que representam os interesses de outros países interfiram nos assuntos internos do país.

Desde a reeleição de Pútin em março passado, a Duma de Estado (Câmara Baixa do parlamento russo) deu sinal verde para várias leis que os ativistas da sociedade civil alegam ter como único objetivo conter os dissidentes e espalhar medo entre os cidadãos cada vez mais ativos.

Essas normas variam do aumento substancial das multas para manifestantes que realizarem ações não autorizadas à lei que exige ONGs locais se registrarem como “agentes estrangeiros” se receberem financiamento estrangeiro e estiverem envolvidas em atividades políticas.

Publicado originalmente pela agência RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.