Base da França na África terá aviões russos para luta contra piratas

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Anúncio foi feito pelo ministro da Defesa russo, Anatóli Serdiukov, na última quinta-feira (1).

O ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian, apoiou a iniciativa da Rússia de colocar dois aviões de reconhecimento IL-38, de fabricação russa, na base francesa no Djibuti, na região do Chifre da África, para auxílio em uma operação antipirataria.

O anúncio foi feito pelo ministro da Defesa russo, Anatóli Serdiukov, na última quinta-feira (1). A iniciativa foi lançada pela Rússia em uma reunião dos ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros da Rússia e da França na última quarta-feira (31).

"O ministro francês disse apoiar a ideia e prestará a assistência necessária nesse sentido", disse Serdiukov.

As regiões do Golfo de Áden e do Chifre da África registram intensa atividade de piratas somalis, que atacam navios mercantes para exigir resgates por sua libertação.

A Marinha russa está presente na região do Golfo de Áden e da costa da Somália desde outubro de 2008 para garantir a segurança naval e escoltar embarcações no corredor de segurança russo. Desde então, escoltou mais de 700 comboios com sucesso.

Ataque


Em maio de 2010, a tripulação do navio de luta antissubmarina oceânico "Macrhal Chápochnikov" (Marechal Chápochnikov) realizou, sob o comando do capitão-de-mar-e-guerra Ildar Akhmerov, uma operação sem precedentes para libertar a tripulação do navio petroleiro russo "Moskovski Universitet" (Universidade de Moscou), sequestrado por piratas.

O petroleiro, carregado com 86 mil toneladas de óleo e com 23 tripulantes a bordo, seguia do Mar Vermelho para a China.

Durante o assalto, nenhum dos tripulantes ficou ferido, dez piratas foram presos e um, morto.

Publicado originalmente pela agência de notícias RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.