Economia e política russa são objeto de debate

Foto: RIA Nóvosti

Foto: RIA Nóvosti

"O futuro se faz agora. Cenários de desenvolvimento econômico da Rússia": esse foi o tema da reunião do Clube Internacional de Debate Valdai, realizada na semana passada na residência do presidente russo, nos arredores de Moscou.

Na última semana, realizou-se na residência presidencial, a cerca de 30 km da capital russa, a reunião anual do Clube Valdai. Uma das arenas de debates mais esperadas pelos especialistas russos, o evento contou com a participação do presidente Vladímir Pútin, juntamente com acadêmicos, políticos e jornalistas russos e estrangeiros.

Dentre os assuntos tratados, tiveram destaque a venda de 50% da TNK-BP para a Rosneft, as relações chino-europeias, as ações da oposição russa e a banda Pussy Riot.

Segundo o presidente russo, o modelo paritário de direção do projeto coletivo TNK-BP não era adequado para funcionar, o que foi confirmado pelos numerosos conflitos com os acionistas. “Com a aquisição pela Rosneft de uma parcela da TNK-BP, os conflitos devem desaparecer”, afirmou Pútin.

Clube Valdai


O "Clube Internacional Valdai de Debate" foi criado em 2004. Seu nome está ligado ao lugar onde foi realizada a primeira conferência, nas imediações do lago Valdai, em Velíki Nôvgorod. O objetivo do Clube é fortelecer e desenvolver o diálogo entre acadêmicos, políticos e jornalistas, russos e estrangeiros, além de analisar academicamente aspectos políticos, econômicos e sociais da Rússia e do mundo. Mais de 600 especialistas de 44 países participaram das conferências do clube durante os últimos nove anos.

Além da cooperação em nível corporativo, os participantes do encontro também discutiram a política externa russa. O presidente russo confirmou mais uma vez que, embora a China e os países da antiga União Soviética sejam uma prioridade para a Rússia, o país deve incrementar as relações com a União Europeia.

Um dos principais problemas nessa área é isenção de vistos entre a Rússia e os países da União Europeia. "Não conseguimos chegar a qualquer acordo, é ridículo", disse Pútin.

  

Oposição e Pussy Riot

De acordo com o RBC Daily, Pútin realçou diversas vezes que o principal problema da oposição russa está na falta de resultados concretos trazidos por essa.

Seu ponto de vista sobre a banda Pussy Riot tampouco mudou. Para Pútin, as meninas abalaram os princípios morais da sociedade.

O presidente também declarou que seus colegas americanos e europeus deveriam ser mais objetivos. Ele lembrou os presentes que o autor do polêmico filme "Inocência dos muçulmanos" também está na prisão, mas pouco se fala sobre o caso.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.