Aviões construídos com novos materiais serão muito mais leves

Ministro da Indústria e Comércio da Rússia, Denis Manturov. Foto: minpromtorg.gov.ru

Ministro da Indústria e Comércio da Rússia, Denis Manturov. Foto: minpromtorg.gov.ru

O Ministério da Indústria aposta na produção de materiais de nova geração.

Hoje, o preço das passagens aéreas depende, em grande medida, do custo do combustível. Mas talvez, no futuro, o combustível de aviação deixará de ter um papel tão importante na fixação dos preços e o prazer de viajar de avião nos custará muito menos. Isso porque na construção de aeronaves serão usados novos materiais compostos como, por exemplo, a fibra de carbono. Novos  materiais permitirão reduzir significativamente o peso da aeronave e, portanto, o consumo de combustível. O custo dos automóveis também diminuirá com o uso de materiais de nova geração. Como resultado, a aplicação de novos materiais permitirá melhorar o funcionamento das ferrovias, aeroportos e equipamentos urbanos. Na medicina, os novos materiais podem ser usados para a criação de implantes para o transplante de órgãos.

Segundo especialistas, em 2020 a indústria mundial utilizará materiais de novaa geração em nível molecular. Na última reunião do Conselho de Modernização russa com a presidência do país, o ministro da Indústria e Comércio, Denis Manturov, informou sobre as  capacidades extraordinárias de novos materiais compósitos, dizendo que o volume de sua produção na Rússia poderá crescer entre 10 e 20 vezes até 2020. Após a reunião, o ministro concedeu entrevista ao Rossiskaia Gazeta.

Rossiskaia Gazeta:Por que o país aposta no desenvolvimento dessa indústria?

Denis Manturov: Os materiais de nova geração são fatores-chave da competitividade e desenvolvimento baseado em inovações dos mais diversos setores da economia nacional. Os materiais compósitos são mais leves, mais fortes e mais duráveis do que os materiais tradicionais, não são inflamáveis nem estão sujeitos à corrosão, sendo ainda resistentes às altas temperaturas. Eles podem ser projetados com antecedência para determinados produtos com missões específicas. Para os consumidores, isso significa que os prazos de obras de construção e os custos de operação dos sistemas construídos com tais materiais se tornarão muito menores. Os materiais  biocompósitos são também importantes em termos de "economia verde". Por exemplo, a diminuição do peso de um automóvel tem como consequência a redução do consumo de combustível e das emissões nocivas. Já a diminuição em 60% a 75% do consumo de materiais na construção de turbomáquinas (bombas e ventoinhas industriais) pode aumentar sua produtividade em cerca de 20% a 30%.

R.G.:A indústria bélica foi a primeira a utilizar materiais compostos. Ultimamente, o mundo tem tentado resolver o desafio do uso desses materiais nos setores civis. Em quais áreas da economia russa os compósitos seriam mais relevantes?

D.M.: Nossa estratégia é a mesma: a criação de uma produção em massa de compósitos para melhorar a competitividade dos setores civis. Dentre os consumidores em potencial destacamos construção civil, transportes, energia, engenharia mecânica, equipamentos urbanos, gás e petróleo, metais não-ferrosos, produtos químicos e petroquímicos.

R.G.:O mercado global de compósitos é estimado em milhões de toneladas e dezenas de bilhões de dólares. O mercado russo é de cerca de 20 mil toneladas. A participação no mercado mundial está na faixa de 0,3% a 0,5%. Por que acha possível que a produção de compósitos na Rússia cresça 20 vezes?

D.M.: Para criar demanda é necessário se aproximar de um determinado consumidor. Qualquer projetista do setor de construção de estradas, por exemplo, deve ter acesso à base de dados completa dos compósitos russos. As técnicas usadas no cálculo e fixação de preços dos materiais compósitos devem ser tão claras quanto aquelas usadas no caso dos materiais tradicionais. Planejamos elaborar cerca de 400 padrões e regras. Mas para garantir sua rápida implantação, serão necessários programas multidisciplinares de elevação da eficiência dos setores que utilizam novos compósitos. Dado o fato de os setores prioritários estarem ligados a determinados  territórios, é possível haver programas regionais de implantação. Essas e outras propostas são formuladas no âmbito do programa estatal "O desenvolvimento da indústria e melhoria de sua competitividade".

R.G.:Qual será o preço dos novos materiais?

 

D.M.: Na fase inicial, os compósitos, assim como outros produtos e soluções inovadoras, podem ser mais caros do que os materiais tradicionais. Todavia, em última análise, eles acabam sendo mais baratos e mais eficazes devido ao baixo custo de uso.

R.G.:O senhor acredita que os futuros clientes estão prontos a usar novos materiais?

D.M.: Encaramos com otimismo as perspectivas da indústria de novos materiais no país. Atualmente, alguns departamentos, regiões e instituições já estão usando tais materiais.

Para ver o texto completo da entrevista em russo, acesse: ttp://www.rg.ru/2012/10/25/kompozit.html

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.