‘Rússia anulou US$ 20 bi em dívidas africanas’, diz ministério

Ilustração: Divulgação

Ilustração: Divulgação

Rússia cancelou bilhões de dólares em dívidas africanas e contribuiu com US$ 50 milhões para o fundo do Banco Mundial destinado a países atingidos pela pobreza, anunciou Vladímir Sergueiev, funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, durante a Assembleia Geral das Nações Unidas na semana passada.

O montante de empréstimos perdoados cresceu US$ 4 bilhões ao longo dos últimos quatro anos, desde julho de 2008, segundo informações do jornal “Gazeta.ru”.

“Por enquanto, amortizamos a parte principal da dívida dos Estados africanos, que ultrapassa os US$ 20 bilhões”,  disse Sergueiev, responsável pelo departamento de organizações estrangeiras do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo.

O gesto generoso veio na sequência de algumas iniciativas semelhantes anunciadas recentemente, incluindo os US$ 11 bilhões de dívidas perdoadas para a Coreia do Norte, os US$ 12 bilhões para o Afeganistão e os US$ 7,8 bilhões para o Irã.

Os países africanos, contudo, têm se mostrado alvo principal da amortização de dívidas promovida pela Rússia.

O país ratificou acordos bilaterais com a Zâmbia e Tanzânia, concedendo a esses Estados o direito de utilizar o valor da dívida para financiar projetos agrícolas, sanitários e educacionais, de acordo com Sergueiev.

“Estamos em negociações sobre acordos semelhantes com Benin, Moçambique e Etiópia”, acrescentou o funcionário do ministério.

Os US$ 50 milhões dedicados ao fundo do Banco Mundial vão ajudar os Estados subsaarianos e outros países em necessidade. 

O potencial doador da Rússia foi um dos motivos citados pelo governo russo para justificar que a presença da USAID (agência norte-americana que apoia grupos pró-democracia e projetos de direitos humanos) no país não é mais necessária.

A UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) também vai parar de operar na Rússia em 2013 pelas mesmas razões, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Publicado originalmente pelo The Moscow News

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.