Supercomputador russo terá mais de 20 petaflops

Desenvolvido na Universidade Estatal de Moscou, equipamento está hoje em 22° lugar em ranking mundial.

O reitor da Universidade Estatal de Moscou (Lomonosov), Víktor Sadóvnichi, declarou que a instituição planeja aumentar o desempenho de seu supercomputador Lomonosov para 21 a 25 petaflops dentro de até dois anos.

"Estamos concluindo a infraestrutura para aumentar o desempenho do Lomonosov para 10 petaflops. Mas nossa intenção é alcançar, dentro de 1,5 ano ou dois, o desempenho de 21 a 25 petaflops. Assim, ficaremos entre os cinco países com os computadores mais poderosos do mundo", disse Sadóvnichi.

O reitor disse ter pedido apoio ao presidente Vladímir Pútin, já que a universidade não conseguiria concretizar o projeto sozinha.

Divulgado em junho deste ano, o ranking Top 500, que lista os 500 supercomputadores mais poderosos do mundo, tem o norte-americano Sequoia, do Laboratório Nacional Lawrence Livermore, em primeiro lugar. O equipamento tem um desempenho de até 16,32 petaflops.

O Lomonosov, desenvolvido na universidade homônima, ficou em 22ª lugar, com desempenho máximo de 0,9 petaflops. Na última lista divulgada pelo Top 500 há cinco supercomputadores russos.

Para acessar o texto original em russo, clique

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.