Um ambiente favorável aos negócios surge em um país onde há condições adequadas

Foto: PhotoXpress

Foto: PhotoXpress

Mesmo assim, a capital e várias outras grandes cidades da Rússia têm um monte de empresários bem-sucedidos em setores não ligados à matéria-prima. O exemplo dessas mostra que fazer negócios na Rússia é possível e não tem nada de assustador.

Vivendo em Moscou, ouço com frequência que um empresário comum carece de um ambiente favorável aos negócios. Muitos empreendedores têm medo de perder sua empresa em consequência de uma aquisição ilegal ou hostil, inspeções desnecessárias de toda a espécie por parte dos órgãos governamentais e corrupção, além dos tributos desfavoráveis.

O que esse centros urbanos precisam é criar incubadoras de empresas para ajudar não duas ou três dezenas, mas várias centenas de empresários a se desenvolver. Para tanto, são necessários empréstimos e investimentos anjos [quando uma pessoa física disponibiliza capital, rede de contatos e experiência profissional em determinado projeto], assim como equipes de profissionais, escritórios e instalações de produção, sistemas de terceirização de funções e espaços acolhedores para discussões e apresentações.

O governo federal e os governos regionais (sobretudo em Moscou, São Petersburgo e Kazan) já começaram a pensar nisso e deram origem as primeiras incubadoras de empresas, como é o caso do centro Skôlkovo. Embora ligadas, em sua maioria, aos órgãos governamentais, potencializam as chances de sucesso das startups.

Para criar uma incubadora, é preciso encontrar uma boa área a um preço relativamente baixo (esse é o item mais difícil de cumprir) com vias de acesso rodoviário. Uma antiga fábrica ou algo semelhante seria uma opção ideal.

Assim, conseguimos criar espaços colaborativos para empreendedores com projetos na fase de conceito ou de desenvolvimento de um protótipo. Eles compram ingressos para visitar o escritório e trabalham na mesma sala, podendo, portanto, se comunicar e trocar ideias, experiências e dicas.

A cada dois ou três meses realizamos concursos de projetos mais interessantes. Os vencedores são premiados com um ingresso gratuito e com um financiamento adicional de nossa parte se seu projeto nos interessar. Os concursos acima citados podem ser presenciados por outros investidores interessados em se juntar aos projetos em uma fase inicial. Isso terá impacto muito positivo sobre a imagem de nossa incubadora.

Ajudamos os vencedores dos concursos a terceirizar a execução da contabilidade e a formalizar a papelada nos órgãos administrativos e lhes damos dicas sobre como e o que fazer (é para isso que precisamos de uma grande experiência empresarial).

Isto é, assumimos as funções para defender nossos pupilos contra o mundo exterior. Escolhemos os projetos mais interessantes para aplicar nossos capitais como investidores de pleno direito e ajudamos as ainda recentes startups a se tornar empresas de pleno direito com modelos de negócios atuantes.

Precisamos fomentar o entusiasmo e espírito empreendedor dos iniciantes promissores, porque a experiência de contatos com os órgãos governamentais pode levá-los à depressão e acabar com qualquer projeto potencialmente bom.

Basta conceder-lhes uma sala confortável, uma máquina de café gratuito, um bom conselho e um ambiente de competição para ter aqui, na Rússia, um ambiente favorável à iniciativa privada. É difícil fazer isso em âmbito nacional, mas é possível fazê-lo em nível privado. Quando o número de incubadoras de empresas atingir várias dezenas ou várias centenas, finalmente teremos um Vale do Silício próprio. 

Leonid Frolov  é cofundador da web startup Venture Street, com sede em Moscou

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.