Russos toleram mais pena de morte do que homossexualidade, aponta pesquisa

Foto: Lucia Bellinello

Foto: Lucia Bellinello

Sociólogos analisam estudo sobre orientações morais conduzido pelo centro Levada.

Abandono dos filhos, suicídio e homossexualidade. Esses são os “pecados” que lideram o ranking de atos amorais elaborado por pesquisadores do centro Levada (vide quadro). Logo atrás vêm a prática de aborto, poligamia e clonagem humana.

Os sociólogos não se disseram surpresos com os resultados do estudo. A reitora da Universidade de Ciências Humanas da Rússia, Liubov Borusiak, acredita que os russos se orientam por algumas máximas religiosas para aferir seus conceitos de moralidade.

“O abandono dos filhos fere simultaneamente todos os valores e proibições, enquanto os tabus do suicídio e da homossexualidade têm raízes profundamente religiosas”, explica Borusiak.

Outra prova disso, segundo a socióloga, é a opinião dos respondentes sobre a prática de aborto. Se, em 2007, a interrupção da gravidez era considerada moralmente aceitável por 27% dos entrevistados, agora foi aceita por apenas 18%.

Borusiak associa o fato à disponibilidade de métodos modernos de contracepção, mas destaca a crítica moral disseminada pela igreja. “Fora a enxurrada de propaganda social”, acrescenta.

Isso não significa, contudo, que os cidadãos tenham grande religiosidade. “Muito poucas pessoas na Rússia orientam sua vida cotidiana pelas tais normas, embora digam pertencer à Igreja Ortodoxa”, contrapõe o vice-diretor do Centro Levada, Aleksêi Grajdânkin. O número de verdadeiros fiéis, de acordo com seus dados, chega a apenas 10% da população.

A resposta estaria na mentalidade russa, diferente do pensamento tanto ocidental como oriental. “Somos um país bastante conservador”, esclarece Grajdânkin. “A intolerância às formas de comportamento diferente é maior do que nos países europeus, mas menor do que nos islâmicos. Estamos entre a Europa e a Ásia”, continua o sociólogo.

A postura dos russos em relação à pena de morte é reflexo desse comportamento. A privação da vida como medida punitiva foi contestada por 21% dos entrevistados, percentual superior ao registrado em pesquisas anteriores na Europa e nos EUA.

Ainda de acordo com os resultados do levantamento, os russos deixaram de considerar gula, dependência alcoólica e jogos de azar como vícios. “Nos últimos cinco anos, os russos fizeram avanços rumo à tolerância, mas de forma bastante contida”, arremata Grajdânkin. 

Box - Quadro

Qual das práticas abaixo é moralmente inaceitável?  

(%)

Clonagem humana

52

Aborto

38

Suicídio

64

Homossexualidade

62

Experimentos com animais

21

Pena de morte

21

Divórcio

7

Poligamia

41

Eutanásia

21

Filhos extraconjugais

5

Abandono dos filhos   

75

Uso de pele de animais    

3

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.