Procuradoria Geral pede proibição de “A Inocência dos Muçulmanos”

Foto: Reuters/Vostock Photo

Foto: Reuters/Vostock Photo

Procuradoria Geral da Rússia planeja entrar com ação judicial para pedir que o filme “A Inocência dos Muçulmanos” seja reconhecido como extremista. Obra gerou protestos dos seguidores do Islã em todo o mundo.

“Entraremos com ação judicial para pedir que o filme ‘A Inocência dos Muçulmanos’, publicado na internet, seja reconhecido como um insulto aos fieis”, disse, na última segunda-feira (17), a porta-voz da Procuradoria Geral da Rússia, ​​Marina Grídneva.

O órgão recomendou ao Serviço Federal de Fiscalização de Comunicações de Massa e Tecnologias de Informação que tome providências para impedir a difusão das imagens e informações contidas no filme até que uma decisão judicial sobre o caso seja tomada.

O vice-procurador-geral Víktor Grin também solicitou aos principais provedores de acesso à internet da Rússia para adotarem providências a fim de evitar a propagação das imagens.

“Os procuradores regionais foram instruídos a fiscalizar a situação localmente e tomar as medidas necessárias”, acrescentou Grídneva.

A divulgação na internet do filme "A Inocência dos Muçulmanos", que deprecia a imagem do profeta Maomé, provocou protestos em massa em muitos países islâmicos, sobretudo na Líbia, Egito e Iêmen.

Na cidade de Benghazi, no leste da Líbia, manifestantes radicais atacaram o consulado dos EUA, matando quatro pessoas, entre as quais o embaixador norte-americano.

Os Estados Unidos estão reforçando a segurança de suas missões diplomáticas no exterior, enquanto alguns países orientais bloquearam o acesso ao filme. O Google, entretanto, se recusou a remover os fragmentos do filme de sua base de dados.

Originalmente publicado no site da agência RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.