Pessoa mais velha da Rússia morre no Daguestão

Homem considerado a pessoa mais velha da Rússia morreu aos 122 anos na república do Daguestão, informaram as autoridades locais do Cáucaso do Norte.

Magomed Labazanov, que vivia na aldeia daguestanesa de Staraia Serebriakova, faleceu na quinta-feira passada (6), segundo um comunicado on-line.

“Ele ajudou a provar que as pessoas mais velhas da Rússia vivem no Daguestão”, declarou Andrêi Vinogradov, chefe do distrito onde o senhor de 122 anos morava. O “vovô Magomed” viu três dos seus cinco filhos falecerem e deixou 18 netos e 20 bisnetos, informou o site Newsru.com.

Nascido na época dos tsares

De acordo com seu passaporte, Labazanov nasceu em 1º de maio de 1890, nos tempos do Império Tsarista, mas sua certidão de nascimento foi perdida ou nunca existiu. A data havia sido registrada em seus documentos por solicitação própria.

Apesar de não ser possível comprovar esses dados em registros oficiais, o homem tinha certeza de que era a pessoa mais velha do país e fazia questão de compartilhar os segredos da longevidade com a mídia.

“Só como alimentos que eu mesmo produzo. Bebo leite e como laticínios, além dos vegetais cultivados em minha horta. Sempre estive envolvido com agricultura e trabalhei muito com bisões e cavalos – trabalho pesado também é muito saudável”, havia confessado em uma entrevista ao canal Russia Today.

Terra da vida longa

 

Os territórios russos no Cáucaso do Norte aparecem frequentemente na mídia pelos ataques de grupos insurgentes que se escondem nas regiões montanhosas e não gozam de boa reputação em termos de segurança.

Entretanto, são também lar de vários centenários, de acordo com a imprensa russa. A residente da república da Inguchétia, Madinat Dzadziieva, 110, chegou a quebrar um recorde internacional no ano passado ao tornar-se a pessoa mais velha a participar de uma peregrinação a Meca.

Originalmente publicado pelo The Moscow News

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.