Rússia é um dos principais destinos de investimento da Europa

Foto: TASS

Foto: TASS

Em 2011, a Rússia foi o destino mais atrativo para investimentos estrangeiros entre os países da Europa central e Leste Europeu. Essa é a conclusão do estudo “Análise da atratividade da Rússia para investimentos”, realizado pela consultoria Ernst & Young. Entre os chamarizes do país, os investidores destacam os recursos naturais, amplitude do mercado interno e alto nível educacional da população.

Apesar de ocupar o 120º lugar no ranking de atratividade de investimentos da consultoria Doing Business em 2011 e apresentar uma fuga saída de capitais no valor de mais de US$ 80 bilhões, a Rússia não parecia sofrer os efeitos mais severos da recessão global.

Enquanto no mundo inteiro o volume de investimentos estrangeiros diretos (IED) aumentou 16% e alcançou mais de US$ 1 trilhão, o mesmo índice na Rússia aumentou 22%, atingindo US$ 53 bilhões.

Mercado diversificado


A indústria continuou responsável pela maior parte dos investimentos estrangeiros diretos (51% do total) e 92% dos empregos criados no país durante o período entre 2007 e 2011.

Moscou e São Petersburgo, as duas maiores cidades russas, absorveram 42% dos projetos de investimento, seguidos pelas regiões de Kaluga e de Nijni Novgorod.

O setor mais atrativo para investimentos estrangeiros é o automotivo; logo atrás ficaram as indústrias alimentícia e de bens de produção. Ainda assim, os entrevistados não descartam que, em um futuro próximo, poderá haver uma diversificação das áreas de investimentos, com destaque para os setores de mineração, petróleo e gás.

De acordo com um levantamento da consultoria Ernst & Young, a Rússia foi, no ano passado, o destino mais atrativo para o investimento entre os países da Europa Central e Oriental.

Os resultados apontam que, em 2012, 19% dos investidores internacionais (8% a mais do que no ano anterior) encararam a Rússia como uma das economias mais atrativas do mundo para a realização de investimentos. O país, que ficou à frente do Brasil, ocupa uma posição próxima à Índia e aos países da América do Norte.

Entre as vantagens da Rússia foram citados seus recursos naturais (43% dos entrevistados), a capacidade de seu mercado interno (19%) e o alto nível educacional da população (10%).

Paralelamente, a má reputação da Rússia no ambiente de negócios foi um dos aspectos mencionados pelos entrevistados. Para a melhoria do clima de investimentos, os executivos consideram necessário tornar a legislação russa mais eficaz (53%), diminuir o nível de burocracia (47%) e aumentar a transparência nos negócios (37%).

Os Estados Unidos seguem na liderança em investimento na Rússia. Entre 2007 e 2011, foram 122 projetos de investimento direto, o equivalente a 16% do total.

Durante o mesmo período, os países europeus juntos aplicaram capital em 300 projetos ou 44% do total. Enquanto a Índia e a China tiveram, cada uma, menos de 2% de participação nos investimentos nacionais, o Brasil investiu em apenas 2% dos projetos.

O estudo envolveu executivos de 208 empresas internacionais, das quais 135 operam na Rússia, bem como a análise de dados estatísticos.

Originalmente publicado pelo jornal Kommersant  

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.