Deputado eleito pela quarta vez, Gudkov pode perder mandato

Deputado diz ser perseguido por governo por ser opositor irreconciliável do regime. Foto: TASS

Deputado diz ser perseguido por governo por ser opositor irreconciliável do regime. Foto: TASS

Deputado diz ser perseguido por governo por ser opositor irreconciliável do regime.

Deputado federal quatro vezes, Guennádi Gudkov, do Partido Rússia Justa, pode perder o mandato por participação ilícita em negócio.

Após o recesso de verão, a Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo) retomará os trabalhos que podem tirar Gudkov do cargo.

Mas o verdadeiro motivo pode ser seu apoio às manifestações anti-governamentais no inverno e na primavera passados.

O deputado alega estar sendo perseguido por ser opositor irreconciliável do regime.

Como resultado de diversas buscas efetuadas em sua empresa familiar, a Procuradoria Geral pediu à Duma de Estado para sublevar a imunidade parlamentar de Gennádi Gudkov por participação ilícita em negócio.

Coronel de reserva da KGB (o serviço secreto da União Soviética), empresário e proprietário de uma rede de empresas de segurança chamada Oskord, Gudkov foi eleito deputado federal por sucessivas legislaturas desde 2001 e fez parte da bancada parlamentar do partido Rússia Unida até se juntar ao partido Rússia Justa.

Após as eleições parlamentares de dezembro de 2011, Gudkov desenvolveu intensas atividades oposicionistas.

O motivo das buscas nas empresas de Gudkov, segundo as autoridades, foi  uma denúncia anônima de ilegalidades praticadas em suas empresas.

Porém, nem a Duma de Estado nem os funcionários do deputado encontraram até agora uma cópia desse documento.

Pouco tempo depois, outra denúncia chegou do exterior. O denunciante, um cidadão búlgaro chamado Ivailo Zartov e ex-sócio de Gudkov, declarou que o deputado tinha negócios na Bulgária.

A investigação resultou na comprovação dessa denúncia, mas devido à imunidade parlamentar, não foi possível abrir processo criminal contrao deputado.

Enquanto isso, a bancada parlamentar do partido  governista Rússia Unida condenou publicamente Guennadi Gudkov sem esperar por decisões oficiais.

Em 12 de setembro, a Duma de Estado deve debater, em reunião plenária, a questão de eliminação da imunidade parlamentar de Guennádi Gudkov.

Enquanto isso, a comissão da Duma de Estado para controle dos rendimentos dos deputados federais verificará os dados de Gudkov, a pedido da Procuradoria Geral.

Único?

Guennádi Gudkov não é o único deputado federal que detém ações de uma empresa e que pode ser suspeito de participação ilícita em negócio.

Para defender o pai, Dmítri Gudkov, lançou um projeto para identificar os militantes do partido governante Rússia Unida envolvidos ilicitamente em negócios.

Segundo Dmítri, 93 deputados federais pelo Rússia Unida detêm ações e podem, em sua maioria, ser suspeitos do mesmo crime do qual Guennádi é acusado.

Esse será o segundo caso do gênero na história da câmara baixa do parlamento russo, caso a Duma de Estado se decida pela eliminação da imunidade parlamentar de Guennádi Gudkov.

Em 1995, a Duma tirou o mandato de deputado a Serguêi Mavródi, fundador da célebre pirâmide financeira russa MMM. Apesar disso os partidários de Gudkov dizem que Mavródi se elegeu para o parlamento justamente para escapar da justiça.

Gudkov deixou bem claro que não tem intenção de fugir da justiça. "Ninguém está livre da pobreza, nem da prisão, eu tampouco", disse Gudkov a jornalistas após a reunião da comissão de controle dos rendimentos dos deputados federais.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.