Rede social russa quer espaço entre brasileiros

Mail.Ru é mostrado como líder em projetos temáticos pelo diretor Dmítri Gríshin. Grupo é proprietário da rede Odnoklássniki. Foto: Kommersant

Mail.Ru é mostrado como líder em projetos temáticos pelo diretor Dmítri Gríshin. Grupo é proprietário da rede Odnoklássniki. Foto: Kommersant

Odnoklássniki conta com preferência de 73% dos usuários russos, seguida por VKontakte, Moi Mir, e só então Facebook e Twitter.

O gigante da internet Mail.RuGroup pretende colocar até o final do ano no mercado brasileiro sua rede social Odnoklássniki (em português, “Colegas de Escola”). O anúncio da entrada da rede social russa no mercado  brasileiro foi noticiado no final de agosto pelo portal Gazeta.ru.

Sua entrada no maior país da América do Sul só aguarda o lançamento na região, previsto ainda para este ano, do novo aplicativo para tablets do serviço de mensagens instantâneas ICQ, adquirido pelo grupo no início de 2010.

A busca por um novo mercado é compreensível já que o interno se encontra bem definido.

“Cada rede encontrou seu nicho: o Odnoklássiniki é para o público adulto e regional, o VKontakte [em português, ‘Em Contato’], para o público jovem, e o Facebook, para os habitantes de áreas metropolitanas”, explica Denis Térekhov, gerente da agência de marketing integrado Sotsialnie Séti (em português, “Redes Sociais”).

No primeiro semestre de 2012, o Odnoklássniki começou sua expansão em países da CEI (Comunidade dos Estados Independentes). A maioria dos habitantes desses países conhece a língua russa ou tem familiares vivendo no país.

Com a diferença linguística, porém, a entrada no mercado brasileiro é um negócio muito mais complicado.

De volta ao ICQ

Neste verão, o Mail.Ru Group relançou no Brasil o serviço de mensagens instantâneasICQ, que teve um boom no país ainda no final dos anos 1990 e início dos 2000.

Hoje, a audiência mensal global do ICQ é de mais de 23 milhões de usuários, a maior parte deles concentrada na Rússia – 12,8 milhões de pessoas usam o serviço no país.

Segundo o chefe de comunicação do Mail.Ru Group, Ígor Ermakov, a espera pelo lançamento do aplicativo do ICQ para tablets antes do início das operações da rede social Odnoklássniki é bem fundamentada.

“O Brasil vive um boom de internet móvel, parte de uma estratégia prioritária para o ICQ”, disse Ermakov à Gazeta Russa.

Mercado e perspectivas

De acordo com o instituto de pesquisas de opinião pública Vtsiom, em 2012 o Odnoklássiniki está em primeiro lugar entre as redes sociais russas, contando com a preferência de 73% dos internautas.

O segundo  lugar é ocupado pelo VKontakte, com 62%, e o terceiro, pelo Moi Mir (em português, “Meu Mundo”), seguido pelo Facebook e pelo Twitter.

O analista da consultoria Finam, Leonid Delítsin, declarou ao portal Gazeta.Ru que o Odnoklássniki tem boas perspectivas no Brasil.

“A empresa tem aqui chances melhores do que na Índia, que é muito pobre, ou na China, muito fechada”, diz Delítsin.

Mas nem todos os especialistas russos concordam com Delítsin. “Não acredito que o Odnoklássiniki vá fazer sucesso na América do Sul”, diz Térekhov, da Sotsialnie Séti.

“O projeto global Classmates, do qual o Odnoklássniki foi copiado, falhou. Por que os brasileiros que não se interessaram pelo Classmates gostariam  de sua réplica russa?”, pergunta.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.