Livros para entender o rock soviético

Uma seleção de livros em inglês (já que nem todo mundo lê em russo) sobre o rock soviético.

Música popular russa (e do Leste Europeu) não é um assunto que mobiliza legiões de pesquisadores, nem muito o interesse de instituições de ensino. É escassa a bibliografia especializada sobre o rock soviético e russo, tanto dentro como fora da Rússia, e muitas informações preciosas acabam sendo difundidas através de blogs e sites de fãs, quase sempre publicados em russo. Mas nem tudo está perdido: há sempre um maluco que acha divertido pesquisar sobre o que não está no circuito da “alta cultura” (como é o meu caso) e que, por sorte ou ironia do destino, acaba encontrando espaço para divulgar sua pequena loucura. Fiz abaixo uma seleção de livros em inglês (já que nem todo mundo lê em russo) sobre o rock soviético. São apenas  quatro livros porque, até onde consegui pesquisar, esses são os mais confiáveis que abordam ou tocam nesse tema. Conforme for descobrindo outros, compartilho aqui no blog.

“Russian Popular Culture: Entertainment and society since 1900″, de Richard Stites (Cambridge University Press, 1992) 

Richard Stites (1930-2010) foi professor de história na Universidade de Georgetown e pesquisador de diversos temas relacionados com a cultura popular e o movimento feminista na Rússia. Neste livro, aborda diversas manifestações artísticas que estão fora do que denominamos “alta cultura”, como a música folclórica, as séries de tv, o circo, o cinema (na linha blockbuster, não Tarkovski e cia.), as rádios, o jazz e o rock’n'roll.

Através de um panorama que visa integrar história, política e estudos culturais, este livro é crucial para entendermos a força e o impacto que a cultura popular teve na Rússia e na URSS: ela nos revela muito mais a respeito da vida e do cotidiano das pessoas do que os gigantes da alta cultura.

Os grupos de rock, que muitas vezes foram perseguidos e censurados na época, nos revelam, através de sua poesia, a pressão, as desilusões e a insatisfação dos jovens de se viver sob um regime que lhes privava, dentre outras coisas, a liberdade de expressão.

Indico esse livro como uma primeira leitura para se ter contato com o contexto político e histórico onde o rock surgiu e se desenvolveu – depois os livros que tratam especificamente sobre o estilo musical farão muito mais sentido.

Como conseguir: dá para encomendar na Amazon ou na Livraria Cultura. Também é possível visualizar alguns trechos no Google Books.

“Rock around the Bloc: A History of Rock Music in Eastern Europe and the Soviet Union, 1954-1988″, de Timothy W. Ryback (Oxford University Press, 1990) 

Timothy W. Ryback, membro da Académie Diplomatique Internationale de Paris e co-fundador do Institute for Historical Justice and Reconciliation, sediado em Haia, já trabalhou na Universidade de Harvard e no Salzburg Global Seminar pesquisando sobre diversos assuntos relacionados com a política e a cultura européias.

Aqui no Brasil ele é mais conhecido pelo livro A Biblioteca esquecida de Hitler – Os livros que moldaram a vida do Führer, publicado pela editora Companhia das Letras. A contracultura soviética e o universo rock’n'roll do Leste Europeu também estão entre seus assuntos favoritos.

Desta forma, Ryback decidiu, em 1990, publicar um livro onde pudesse relatar um pouco da história deste estilo musical nos países que integravam o bloco soviético. Da primeira invasão de Bill Halley & His Comets na Hungria (1954) à Perestroika (o livro vai até 1988), conheceremos as bandas, os produtores, os festivais, os censores e os embates que moldaram e consolidaram o rock soviético.

Como conseguir: o livro está esgotado, esgotadíssimo, sem nenhuma esperança de ser reeditado. Dá para conseguir uma edição usada em estado razoável na Amazon. Não há visualização no Google Books.

“Back in the USSR: The True Story of Rock in Russia”, de Artemy Troitsky (Faber & Faber, 1988) 

Artemy Troitsky é um importante jornalista e crítico musical russo, colaborador de diversas rádios como Эхо Москвы (Ekho Moskvy) Радио 101 (Radio 101), e que também atua como produtor, compositor e organizador de eventos.

Foi um dos primeiros jornalistas russos a divulgar, na segunda metade da década de 1980, o rock’n'roll e a contracultura na URSS e no ocidente, colaborando em diversas publicações e documentários na Europa e Estados Unidos. Neste livro, Troitsky faz uma análise do desenvolvimento do rock soviético, desde a influência do rockabilly e dos Beatles (entre as décadas de 1950 e 1960), até a invasão do punk e da new wave (década de 1980).

Diferente dos dois livros anteriores, que são mais focados no contexto histórico e político, este trata mais dos gêneros musicais e bandas que influenciaram o rock na URSS. Conforme nos relata Troitsky, as primeiras bandas de rock costumavam cantar em inglês e faziam covers de bandas inglesas e norte-americanas; o grupo moscovita Машина времени (Mashina vremeni) teria sido o primeiro a se afastar gradativamente desta tendência, a ter uma personalidade própria e uma sonoridade propriamente russa, o que o autor chama de bard rock. Muitas outras curiosidades poderão ser encontradas no livro, um relato único de uma testemunha ocular da história.  

Como conseguir: a edição em inglês está esgotadíssima e também sem previsão de reedição. Na Amazon é possível adquirir um exemplar usado. Já a edição em russo está disponível na Ozon. Não há visualização no Google Books.

“Rock and Roll in the Rocket City: The West, Identity, and Ideology in Soviet Dniepropetrovsk, 1960-1985″, de Sergei I. Zhuk (The Johns Hopkins University Press, 2010)

O historiador ucraniano Sergei I. Zhuk é professor associado da Ball State University, nos Estados Unidos, e pesquisa, dentre outros assuntos, sobre a influência do ocidente na cultura popular soviética.

Este também é um relato de uma testemunha ocular da história, pois no final da década de 1970, Zhuk fez seu curso de História em Dniepropetrovsk, uma cidade ucraniana fechada para estrangeiros e fortemente policiada pela KGB. Mas todo esse controle não impediu que na cidade florescesse uma considerável contracultura que deixava as autoridades de cabelo em pé.

E eis que surgiu a grande questão de Zhuk: como foi possível que a literatura, a música e o cinema ocidental chegassem por lá? Cobrindo toda a era Brezhnev, o livro discute como a cultura ocidental, em particular o rock’n'roll, influenciou fortemente a juventude soviética, a ponto de se tornar uma ameça ao controle ideológico mantido pelo governo – temos, portanto, um relato dos efeitos do rock na cultura soviética.

Zhuk também aponta que essa fermentação cultural também acabou influenciando o ressurgimento do nacionalismo ucraniano na década de 1980, além de ter sido um dos ingredientes da formação da identidade nacional pós-soviética.

Como conseguir: lançado há pouco tempo, está disponível para compra na Amazon e na Livraria Cultura. Não há visualização disponível no Google Books.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.