Condenação do Pussy Riot mobiliza autoridades ocidentais

Foto: Reuters/Vostock Photo

Foto: Reuters/Vostock Photo

Porta-voz da diplomacia russa contesta críticas, alegando que legislação ocidental também estabelece penas para vandalismo em espaços de culto.

Muitos políticos ocidentais, incluindo a chanceler alemã, Angela Merkel, chamaram a sentença concedida ao coletivo feminista punk Pussy Riot de “desproporcionalmente grave”.

Em contrapartida, o porta-voz da diplomacia russa, Aleksandr Lukachévitch, informou à agência Ria Nóvosti que as legislações de alguns países ocidentais, como Alemanha e Áustria, também estabelecem sanções à liberdade quando se tratam de ações de vandalismo em espaços de culto.

Segundo ele, o Código Penal da Alemanha estabelece pena de prisão de até três anos ou uma multa pecuniária para declarações e delitos antirreligiosos, incluindo ações provocativas e humilhantes em espaços de culto.

Lukachévitch ainda completou que o código penal austríaco prevê prisão de até seis meses ou uma multa de até 360 salários diários para ocorrências do gênero.

As declarações foram feitas após o tribunal Khamovnitcheski, em Moscou, condenar, na última sexta-feira (17), três integrantes do Pussy Riot a dois anos de prisão.

Em fevereiro deste ano, as três integrantes da banda entraram na Catedral de Cristo Salvador usando máscaras e cantaram uma oração punk anti-Pútin no altar.

O vídeo gravado durante a ação foi publicado na internet e ganhou ampla repercussão pública.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.